Medo de trovoadas ou fogos de artifício, cio, instinto de caça, curiosidade, solidão, estar com fome ou sofrendo maus tratos ou até mesmo a mudança de endereço da família. Estes são alguns dos motivos que fazem com que um cão fuja. Além deles ainda há os descuidos que cometemos permitindo que eles tenham acesso à rua e os tutores que deixam seus cachorros soltos, de maneira irresponsável. E quando isto infelizmente acontece, muita gente fica sem saber o que fazer. Por isso reunimos algumas dicas que podem ajudar quem procura por seu “amigão” que está desaparecido.

Uma delas é manter fotos atualizadas do pet. Com elas você pode imprimir algumas cópias e espalhar pelo comércio do bairro onde ele fugiu. Este material também pode ser compartilhado pelas redes sociais, no Facebook – em grupos de animais desaparecidos ou enviado para os contatos do Whatsapp. Também evite que seu cão fique sem coleira. Nela você deve colocar uma plaquinha com seu telefone, para que a família possa ser facilmente localizada caso alguém encontre seu cachorro.

Outra medida muito eficaz é microchipar o pet. Isto pode ser feito de maneira gratuita em eventos promovidos pela Rede de Proteção Animal de Curitiba ou diretamente em clínicas veterinárias que oferecem o serviço.  Quando um animal com microchip é achado, é possível “escanear” o chip, para obter todas as informações sobre o bichinho.

Mas a melhor dica mesmo é garantir que a casa seja segura, para que seu cão não consiga fugir. Afinal, como diz o ditado “é melhor prevenir do que remediar”.

Dicas para quem procura um cão desaparecido

1.Não perca tempo. Procure seu cachorro imediatamente. Os cães são rápidos e podem percorrer vários quilômetros em um período curto de tempo. Agindo assim você também ajuda a evitar que ele se machuque enquanto estiver perdido pelas ruas.

2.Faça contato com o comércio do bairro, incluindo os petshops e as clínicas veterinárias.

3.Imprima cópias de fotos e espalhe pelo bairro. Entregue este material também para os vizinhos.

4.Compartilhe a foto e os dados com as características do animal pelas redes sociais, como Facebook e grupos do Whatsapp.

5.Fale também com profissionais que trabalham ou circulam pela região, como porteiros, lixeiros, taxistas e demais entregadores.

6.Em alguns casos, considere oferecer uma recompensa. Ela pode ajudar a encontrar o pet mais rapidamente.

7.Procure os abrigos e fale com protetores de animais, perguntando se eles podem ter encontrado seu “amigão”.

 

Quer contar uma história com seu pet, sugerir um tema ou publicar a foto de um animal disponível para adoção? Escreva para gente: animal@tribunadoparana.com.br