Tão importante quanto a vacinação, os cuidados com a alimentação e a prevenção de pulgas e carrapatos, a vermifugação pode proteger seu “melhor amigo” contra a giárdia, o verme do coração e demais parasitas, que podem debilitar e até mesmo, matar seu pet. Além de fazer mal aos animais, alguns endoparasitas – como a giárdia – ainda podem ser transmitidos ao homem, trazendo riscos para toda a família.

– Saiba como evitar a queda de pelos e manter uma pelagem linda e saudável

Nos animais, os vermes podem se alojar em diferentes partes do corpo como coração estômago, rins, pulmões, esôfago, olho, intestino, fígado e até no cérebro, provocando sérias lesões no órgão.

Quando infectados, os pets podem ter perda de apetite, barriga distendida, perda de peso, diarreia, sangue ou mudanças nas fezes, pelos opacos, além do hábito de esfregar o “bumbum” no chão. Mas nem sempre é fácil perceber a presença dos vermes, afinal, muitos animais não apresentam nenhum sintoma.

Contaminação

Coçar o "bumbum" costuma ser sinal de vermes. Foto: Reprodução
Coçar o “bumbum” costuma ser sinal de vermes. Foto: Reprodução

Cães e gatos podem nascer com os parasitas, já que os vermes são transmitidos pela placenta e pelo leite materno. Nos cães adultos, a infecção pode acontecer por via oral ou pela pele, mesmo que eles não tenham nenhum ferimento.

E ainda há a possibilidade de transmissão pela picada de alguns mosquitos, como acontece com o verme do coração. Para confirmar a presença dos vermes é necessário recorrer aos exames de sangue e fezes.

Prevenção e tratamento

A prevenção e o tratamento devem ser feitos com medicamentos específicos, como explica o médico veterinário da Virbac, Ricardo Cabral.

“A prevenção é feita com doses de vermífugos que devem ser indicados pelo veterinário, de acordo com o tipo de verme e o peso do animal. Para os filhotes, a medicação geralmente é administrada em conjunto com as primeiras vacinas dos pets”, explica Cabral.

– Seu cachorro come grama? Saiba o que causa este comportamento!

De acordo com ele, o ideal é vermifugar os animais com frequência. “O nível de proteção contra parasitas internos pode ser obtido ao se administrar uma dose do medicamento a cada mês, em todos os cães presentes no ambiente, desde duas semanas de idade”, recomenda.

Sob controle

Para evitar a infestação, o controle do ambiente também é importante. A recomendação aos tutores é remover sempre as fezes, evitando que o animal faça as necessidades em local fechado e que não bata sol.

“É que a umidade favorece a sobrevivência das larvas e ajuda os vermes a crescer”, diz Cabral, que ainda ressalta a importância da visita anual ao veterinário de sua confiança, para evitar estas e outras doenças. Recado dado!

Quer contar uma história com seu pet, sugerir um tema ou publicar a foto de um animal disponível para adoção? Escreva pra gente: animal@tribunadoparana.com.br

Adoção responsável

Adoção responsável: Matilda tem cinco meses, já tomou a primeira dose da vacina e também, duas doses de vermífugo. Dengosa e brincalhona, ela sabe usar o “tapetinho” e se dá bem com outros cães. Para adotá-la fale com a Aline (41) 98814-9675. Foto: Divulgação
Matilda tem cinco meses, já tomou a primeira dose da vacina e também, duas doses de vermífugo. Dengosa e brincalhona, ela sabe usar o “tapetinho” e se dá bem com outros cães. Para adotá-la fale com a Aline Troiani (41) 98814-9675. Foto: Divulgação

Convívio com animais faz bem pra saúde das crianças e pode evitar alergias e obesidade