Juliana Rojas e Marco Dutra mais uma vez entregam um filme que merece um olhar especial. Após se destacar com o longa “Trabalhar Cansa” (2011) – que inclusive teve sua exibição no Festival de Cannes, na sessão Um Certo Olhar – a dupla apresenta “As Boas Maneiras”, longa brasileiro com co-produção da França.

As Boas Maneiras” retrata o convívio de Ana (Marjorie Estiano) – uma mulher de classe média alta que esta preste a dar a luz – e Clara (Isabél Zuaa) – enfermeira que mora na periferia São Paulo e que foi contrata para trabalhar como empregada na casa de Ana. Conforme a gravidez vai avançando, Ana começa a ter comportamentos estranhos e hábitos noturnos bizarros que afetam o trabalho de Clara. O longo é divido em duas partes, a gravidez e o crescimento do bebê de Ana. Confira o trailer:

Filme "Grave" (2017)
Filme “Grave” (2017)

Ao ver o filme, pude perceber várias semelhanças com produções atuais e até mesmo com clássico de uma série americana de muito sucesso dos anos 90. “As Boas Maneiras” é um terror requintado, psicológico e sem exagero e sustos clichês. Chega a ser tenso igual ao elogiado “Grave” (2017) – filme polêmico francês sobre uma adolescente vegetariana que vai a faculdade e começa a ter hábitos estranhos após experimentar carne. Outro exemplo é “Cargo” (2018) – produção original da Netflix – os sustos estão em segundo plano e a relação de Clara com o filho de Ana é levado de forma afetiva. E pra fechar, o último episódio da segunda temporada de “Contos da Cripta” é o exemplo perfeito da criança que não entende porque ele é diferente das outras. Ah e também “Melanie: A Última Esperança” que cabe perfeitamente na construção de relacionamento.

VEJA TAMBÉM: Novo filme de Annabelle já tem data para estrear

Cena de "Contos da Cripta", capítulo "O Segredo".
Cena de “Contos da Cripta”, capítulo “O Segredo”.

Outro ponto importante tratado no filme é sua crítica à sociedade e valores sociais. Ana vive de aparência, esconde seus problemas psicológicos. A convivência com Clara representa a relação do Brasil antes da abolição da escravidão, onde a empregada servia para resolver e ajudar o problema de sua patroa.  Fato que inclusive se pode observar até hoje. O negro ainda vive na senzala, vulgo favela; e os brancos na casa grande, a.k.a bairro nobre.

As Boas Maneiras” mostra que há sim boas produções brasileiras no gênero terror com roteiro bem construído e que revela como uma simples história sobre lobisomem pode ser uma bela crítica à sociedade burguesa brasileira de hoje.

Cena do filme "As Boas Maneiras". Foto: Reprodução
Cena do filme “As Boas Maneiras”. Foto: Reprodução

As Boas Maneiras” estreia nesta quinta (07) nas salas de cinema de Curitiba.

Avaliação: ⭐⭐⭐⭐
Pra quem gosta: Terror
Pra assistir: amigos ou sozinho.
Filmes/Séries semelhantes: “Bom Dia, Mamãe”, “Grave” e “Melanie – A Última Esperança”.

Netflix confirma a terceira temporada da série brasileira “3%”