Depois de 24 anos, Mortal Kombat ganha novo filme. O anúncio da nova versão do famoso jogo de videogame dos anos 90 para as telonas foi confirmado em maio de 2019 e previsto para estrear em março deste ano. Mesmo com a pandemia, o longa sofreu com um pequeno adiamento sendo reagendado para maio. Em Curitiba, infelizmente, o filme não chegou a estrear nas salas de cinema por conta do decreto municipal que proibia a abertura estes locais com o objetivo de diminuir o avanço do coronavírus na cidade.

A espera finalmente acabou. O HBO Max lança o novo “Mortal Kombat” nesta sexta-feira (05) no seu streaming.

Com a estreia de Simon McQouid na direção, o longa conta com o mesmo produtor de “Aquaman”, James Wan, e, como dito anteriormente, essa versão teria influências das produções da Marvel.

Assim como “O Esquadrão Suicida”, o novo “Mortal Kombat” não é um reboot ou continuação dos dois primeiros filmes lançados em 1995 e 1997, respectivamente. O longa estreante é apenas um filme que deve contar a origem da história.

critica novo mortal kombat 2021
Cena do filme Mortal Kombat (2021). Foto: Divulgação

Violento e sarcástico. O filme na verdade tem mais influências em produções da DC do que da Marvel. Até porque temos presente, como já mencionado, o produtor Jamens Wan que já trabalhou em um longa dos heróis da DC. Talvez a trama do novo Mortal Kombat pode ser confundida com alguma história paralela do universo X-Men.

A direção do novato McQouid é ágil, com boas cenas de ação e pitadas de humor ácido. Todas as características que encontramos nos filmes de super-herói, mas infelizmente não emplaca. Ele mostra ao espectador um longa esquecível e fraco.

Sem contar a história de clichês, o filme é sem profundidade, com desfechos contundentes e reviravoltas plausíveis. Com uma equipe formada por mais de cinco roteiristas, o filme infelizmente é uma obra relaxada.

critica novo mortal kombat 2021
Novo Mortal Kombat (2021). Foto: Divulgação

Nem as atuações salvam. Com um elenco formado por estrelas que já trabalharam em alguma produção de super-herói – Ludi Lin; série “Power Ranger”; Mehcad Brooks, série “Supergirl”; e Tadanobu Asano, filme “Thor: Ragnaroki” – o novo Mortal Kombat tem interpretações forçadas e medianas. As cenas de lutas até tentam segurar o público. Mas no geral, o longa vai perdendo força e atenção do espectador.

O novo “Mortal Kombat” dá a sensação em ser uma produção barata, sem investimento e que tenta ganhar o público pelo nome de sucesso que foi nos jogos de videogame e os dois primeiros filmes dos anos 90. Vale lembrar que as clássicas produções cinematográficas também não são lá exemplares, mas – principalmente o primeiro filme que teve maior repercussão – tornaram-se nostálgicas para os jovens e crianças daquela época e hoje consideradas obras cults.

Avaliação: ⭐⭐
Pra quem curte: Filme de super-herói
Pra assistir com: amigos
Filmes e séries semelhantes: The Boys, Esquadrão Suicida e Patrulha do Destino