Curitiba é conhecida por ser a capital mais fria do Brasil, pelo Jardim Botânico, Museu do Olho, Feirinha do Largo da Ordem… A capital paranaense também foi palco de grandes produções cinematográficas.

Além dos filmes, a terra do pinhão também foi cenário para uma das séries de maior audiência da Netflix, “O Mecanismo”, produção baseada em fatos reais sobre a investigação da Operação Lava-Jato.

E olha só, e não só diretores brasileiros que vieram gravar as belas paisagens da capital paranaense. Curitiba também já virou cenário para filme americano e de uma produção de com direito a tiroteio, explosão e muita ação.

VEJA TAMBÉM: 10 filmes gravados em Curitiba

Jogo de Poder”, lançado em 2003, é um longa de Joseph Zito, o cineasta é conhecido por dirigir um filme do Jason, “Sexta-Feira 13: Parte 4 – Capítulo Final”, de 1984, e dois do famoso Chuck Norris, “Braddock: O Super Comando”, também de 1984 e “Invasão U.S.A.”, de 1985.

A produção filmada na terra das araucárias só serviu de cenário, mas não é citada no filme.

O longa é sobre uma série de terremotos que devasta o sul da Califórnia, provocando uma crise de energia nos EUA. Três cientistas desaparecem após culparem a companhia elétrica de violar leis ambientais. Um jornalista investiga o caso e acaba sendo vítima de perseguições pela cidade. Veja o trailer:

Para ver o vídeo com legenda, basta clicar no ícone inferior do lado direito “Legendas/Legendas Ocultas”, clicar em “detalhes”, “Legendas (cc)”, mudar a opção para “traduzir automaticamente” e selecionar o idioma “português”

No trailer, podemos ver o Cemitério Municipal como plano de fundo. Quem viu o filme sabe que algumas ruas da região central e até o Largo da Ordem aparecem no longa.

LEIA MAIS: Série filmado em Curitiba estreia na TV

O filme de Zito tinha contava com atuações da filha de Clint Eastwood, Alison Eastwood, do eterno cirurgião plástico da série “Nip/Tuck”, Dylan Walsh e o ator que interpreta John Kramer na saga “Jogos Mortais”, Tobin Bell.

Infelizmente, “Jogo do Poder” não foi bem recebido pelo público e nem pela crítica.