Há pouco tempo começaram a surgir as primeiras denuncias de pedofilia envolvendo padres. Os casos não são atuais, há vários relatos que só ganharam notoriedades depois que as vítimas – já na fase adulta – tiveram a coragem de revelar os assédios sofridos quando eram crianças.

O cinema já contou varias histórias sobre este crime que ainda é guardado a sete chaves pela igreja católica. O filme norte-americano Spotlight – Segredos Revelados (2015), dirigido por Tom McCarthy e Má Educação (2003), do espanhol Pedro Almodóvar, são alguns exemplos.

LEIA MAIS: O que chega na Netflix em julho

Agora foi a vez do cineasta François Ozon contar uma nova história chocante envolvendo padres franceses acusados de abusarem mais de 70 meninos na década de 80 e 90. Baseado em fatos reais, o filme mostra uma das vítimas tomando coragem de revelar os abusos sofridos após um sacerdote voltar a sua cidade com objetivo de catequizar as novas crianças. Veja o trailer:

Dramático e reflexivo. Graças a Deus choca pela sutileza dado a trama. O longa não impacta por atuações fortes ou por um clímax vibrante. O diretor trabalha com o suspense minimalista, sem grandes destaques.

Mesmo não apresentado uma história cheio de reviravolta, o filme francês ganha força com a troca de personagens protagonistas. Essa mudança traz agilidade para o longa, mas pode não agradar a todo.

LEIA TAMBÉM: Entrevista com Flávia Castro, diretora do filme “Deslembro”

Graças a Deus é um Spotlight – Segredos Revelados visto pelo olhar das vítimas, é uma versão delicada e sutil da obra consagrada de Pedro Almodóvar, Má Educação.

Avaliação: ⭐⭐⭐
Pra quem gosta:
drama
Pra assistir:
sozinho
Filmes/Séries semelhantes:
O Clube, Dúvida e Em Nome de Deus