A bruxinha mais controversa volta ainda mais polêmica. Na última sexta-feira, 5, a Netflix liberou a segunda parte da série O Mundo Sombrio de Sabrina, a nova adaptação da clássica série dos anos 90 Sabrina, Aprendiz de Feiticeira.

Ainda mais assombroso, a nova parte mostra a meio-bruxa e meio-humana explorando o seu lado obscuro, a procura de entender o que realmente aconteceu com a trágica morte de seus pais e a luta para não perder os amigos do mundo mortal. Veja o trailer:

Assim como na primeira parte, Sabrina contesta os princípios da religião satânica, questiona o machismo causando embate com o clã todo-poderoso do universo trevoso. Suas aflições e críticas são muito comparadas a de Jesus Cristo e Joana D’Arc.

A nova temporada é viciante, é polêmica e é política. O universo alegórico traz reflexões do mundo real, a busca da representatividade feminina no âmbito religioso, a busca de identidade e o conhecimento do verdadeiro papel do indivíduo na sociedade.

O mais interessante da série é conseguir trazer de forma leve a discussão sobre as crises já sofridas nas religiões cristã, judaica e islâmica que, ‘por coincidências’, são os mesmos problemas da religião satânica.

+ Novo filme do mesmo produtor de ‘A Forma da Água’ ganha trailer assustador

+ Warner Bros divulga trailer aterrorizante de Annabelle 3

A segunda parte caminha para uma crise religiosa muito semelhante as duas grandes reformas famosas da história: a Protestante – liderada por Martinho Lutero, no século XVI, era contra as indulgências, abuso do clero e o rumo que a igreja estava tomando na época – e a Anglicana, onde o rei Henrique VIII queria anular seu casamento com Catarina de Aragão sendo negado pelo Papa Clemente VII culminando em uma disputa não só teológica, mas política também.

O Mundo Sombrio de Sabrina. Foto: Divulgação/Diyah Pera – Netflix

E pra finalizar, a série mais uma vez mostra o poder feminino, a sororidade e a resistência delas.

+ Jordan Peele deixa pistas sobre o final do filme nos primeiros minutos de ‘Nós’

Em uma estética de homenagem aos grandes clássicos do horror, O Exorcista, de 1973, e Bebê de Rosemary, de 1968, O Mundo Sombrio de Sabrina não é só mais uma série de terror adolescente, é política e por isso tem suas relevâncias e particularidades a serem levado em conta na hora de assistir. E, como foi dito sobre a primeira temporada, não é sobre adoração ao demônio.

Avaliação: ⭐⭐⭐1/2
Pra quem gosta: terror
Pra assistir: sozinho, com amigos, crush
Filmes/Séries semelhantes: Diários de um Vampiro, Riverdale e Teen Wolf