Com a chegada do final do ano letivo, muitas escolas particulares já estão comunicando os pais e alunos sobre eventuais aumentos que incidirão nas mensalidades para o próximo ano.

E claro, nesse momento tão difícil, com as crises sanitária e economica pelas quais o Brasil está passando, qualquer despesa extra pesará no bolso dos consumidores.

E o cenário fica ainda mais preocupante na medida em que muitas instituições de ensino tiveram que alterar a sistemática das aulas em razão da pandemia.

Não há dúvida que todas as partes foram prejudicadas.

É certo ainda que a legislação em vigor não proíbe os aumentos. Todavia, as escolas devem comprovar – com a apresentação da planilha de custos – os reajustes que incidirão sobre as parcelas do ano letivo seguinte.

Muitos pais e alunos, em razão da perda de renda, total ou parcial, tiveram que transferir seus filhos para escolas públicas ou outras com mensalidades mais em conta.

Assim, reajustar as mensalidades ou fechar as portas para negociações com os pais e alunos, pode agravar ainda mais esse cenário.

O momento deve ser de bom senso e cautela.