Engenheira desaparece a caminho de casa e desespera família em Curitiba

Publicidade

Água Verde Curitiba

Engenheira desaparece a caminho de casa e deixa família desesperada em Curitiba

Gustavo Marques
Escrito por Gustavo Marques

*** ATUALIZAÇÃO: Nesta segunda-feira (06/04/20), a engenheira civil Mariana Pereira da Silva, de 39 anos, voltou para casa. A família informou à reportagem da Tribuna que ela estava no terminal do Santa Cândida quando ligou pedindo para a mãe ir buscá-la, por volta de 23h. Mariana estava calma e sem machucados. A informação foi confirmada pela irmã de Mariana.

xxxxxxxxx

A engenheira civil Mariana Pereira da Silva, 39 anos, desapareceu no começo da tarde de domingo (5), em Curitiba.  A última informação é que ela estaria retornando para casa, no bairro Água Verde, onde reside com os pais. No entanto, até o início da tarde desta segunda-feira (6), os familiares não tinham notícias do paradeiro de Mariana. O carro que ela dirigia foi encontrado na tarde desta segunda-feira.

LEIA MAIS – Quantos são, onde moram e como vivem os idosos do Paraná em tempos de Covid-19?

Antes de desaparecer, a engenheira foi até a casa da avó para entregar o almoço, dirigindo o veículo Fiat Palio branco, com placas BDW – 1616 de Curitiba. Ela entregou a refeição para a parente, também no Água Verde e avisou que estaria retornando para sua residência. Como o trajeto é curto, de apenas sete quadras, o tempo de retorno não deveria passar de cinco minutos.

Foto: Divulgação

No entanto, depois de meia hora, a mãe de Mariana ficou preocupada. “ A mãe ligou um monte e depois de algum tempo, a Mariana atendeu. Falou que tinha dado uma volta pelo bairro, mas que já estava chegando. Mas aí não apareceu e o telefone está agora desligado”, relatou a irmã, Daniele Pessoa da Silva, de 43 anos.

LEIA AINDA – Como fazer máscara de tecido: 3 modelos simples para se proteger do coronavírus

A família fez o boletim de ocorrência com a Polícia Civil e imagina que Mariana não tenha ido para muito longe do Água Verde. Parentes das cidades de Ponta Grossa e São Paulo foram avisados do caso, mas confirmaram que a engenheira não está em nenhum destes município.

Medicação

Mariana faz uso de uma medicação para controlar a ansiedade, que foi alterada pelo médico há 15 dias. No entanto, a irmã ressalta que mesmo com o remédio, a engenheira tem consciência naquilo que faz. “ Ela é muito inteligente e gosta de estar junto com as pessoas. Estamos muito preocupados e qualquer ajuda a reencontrá-la é bem-vinda”, comentou Daniele.

Quem tiver informações que possam colaborar com a família, pode entrar em contato com a Polícia Civil no telefone 3360-1400.

Carro encontrado

O carro da engenheira foi localizado no fim da tarde desta segunda-feira pela Polícia Civil. No entanto, Mariana segue desaparecida. No veículo, nada foi alterado.

Foto: Divulgação/ PCPR

Sobre o autor

Gustavo Marques

Gustavo Marques

(41) 9683-9504