Waldemar Niclevicz completa 30 anos de alpinismo e relembra principais conquistas | Tribuna do Paraná

Publicidade

Bigorrilho Curitiba

Primeiro brasileiro o conquistar o Everest, Waldemar Niclevicz comemora 30 anos de carreira!

“Levar a bandeira do Brasil para o alto das montanhas”. Essa foi a resposta do alpinista paranaense, Waldemar Niclevicz,  à Tribuna do Paraná, quando pedimos que definisse em poucas palavras aquilo que considera como missão de vida. Primeiro brasileiro a atingir o alto do monte Everest, o esportista coleciona títulos e, em 2018, comemora 30 anos de trajetória com um currículo que inclui, além do Everest, o monte K2 (considerada a montanha mais difícil de escalar do mundo) e o circuito “Sete Cumes”, que abrange a maior montanha de cada um dos continentes. Numa rápida conversa com a Tribuna, o alpinista contou um pouco mais da sua história e revelou “por onde andou” nos últimos tempos.

Leia mais! “Professor Pardal” de Curitiba já flagrou sinais misteriosos com suas criações

O encontro foi informal. Entre cordas, mosquetões e grampões, o alpinista aguardava nossa equipe na academia de escalada onde costuma treinar, no bairro Bigorrilho. Recuperando-se de uma lesão na panturrilha que frustrou a conclusão de sua expedição mais recente, nos Alpes Suíços, Waldemar não parecia desanimado. Acostumado a desafios, o esportista aprendeu – desde cedo – a desenvolver duas importantes virtudes: resistência e disciplina. “Meu pai era militar e, depois dele, eu mesmo me dediquei à carreira por um tempo. Essa vivência imprime na gente uma postura diferente em relação aos desafios da vida”, afirmou, relembrando a década de 80, na qual ingressou na Academia Militar das Agulhas Negras, no Rio de Janeiro.

Paranaense de Foz do Iguaçu, Waldemar jamais imaginaria – enquanto criança – que a paixão pelo alpinismo o faria abdicar do legado militar da família. “Foi em 78, quando viemos morar em Curitiba que eu vi a cadeia de montanhas do litoral pela primeira vez. Foi por lá que dei meus primeiros passos no esporte e depois nunca mais parei”, relembra. Ao fim da década de 80, já decidido sobre os rumos da carreira, Niclevicz realizou sua primeira grande expedição na maior montanha da América do Sul, o Aconcágua, na Argentina. “Naquela época eu era estudante de turismo na Federal e lembro que, quando voltei, tive certeza de que aquilo era pra mim”, revelou.

Passando a bola!

Após comemorar 30 anos de alpinismo, Waldemar Niclevicz bateu um papo com a Tribuna sobre sua carreira. Foto: Felipe Rosa.
Após comemorar 30 anos de alpinismo, Waldemar Niclevicz bateu um papo com a Tribuna sobre sua carreira. Foto: Felipe Rosa.

Das cordilheiras sul-americanas, ao pico do Everest não levou muito tempo. Em 1995, Niclevicz chegou ao alto da maior montanha do mundo e, alguns anos depois – em 2000 – o temível K2, no Paquistão, também entraria para o currículo do paranaense. Entre uma conquista e outra, os louros vieram ao longo dos anos, na forma de convites para entrevistas, palestras e participações comerciais.

+Caçadores! Da noiva do Edifício Asa aos fantasmas da UFPR. Cinco lugares de arrepiar! 

Longe dos holofotes, no entanto, Niclevicz preserva uma identidade pacata. Formado em Turismo, o alpinista associou a experiência nas montanhas ao aprendizado acadêmico e, por meio de palestras motivacionais e autobiografias, encontrou uma forma especial de contar ao público sobre suas expedições, cujo número ele próprio não se lembra ao certo. “Foram tantas que eu não sei precisar exatamente. Mais de trinta, com certeza”, explica.

Agora, aos 52 anos, um novo e maior desafio se levanta diante do esportista: a paternidade. Com o intuito de repassar ao primeiro filho, Nicolau, de apenas 2 anos, o legado nas montanhas, Niclevicz familiariza o pequeno às encostas. “Levo ele comigo para o Marumbi, andar no meio do mato para ir se acostumando. Certamente pretendo ensiná-lo a praticar e passar para ele a paixão pelo alpinismo”, afirma.

+Caçadores! Casal decide empreender e fatura alto vendendo em sinaleiro de Curitiba!

Satisfeito com sua trajetória individual no esporte, Niclevicz encara com certa positividade a “onda” de montanhistas amadores que, aos fins de semana, têm lotado os picos ao redor de Curitiba. “É bom saber que as pessoas têm se encontrado nas montanhas. Realmente a sensação de chegar ao topo é maravilhosa. Mas é preciso ir com calma e tomar cuidado, principalmente no começo”, recomenda. Mesmo com o esporte em voga, o alpinista lamenta a falta de incentivos à prática no Brasil. “Infelizmente o alpinismo é mais valorizado fora do meu país. Falta às autoridades observar o esporte com mais comprometimento e isso não se restringe ao alpinismo. É bastante frustrante”, disse.

Nem rocha, nem frio. Nem panturrilha recém-lesionada ou falta de patrocínio, porém, são suficientes para parar Niclevicz. No aguardo da próxima expedição, ainda indefinida, o esportista mantém a mente firme na frase de sua própria autoria: “que as dificuldades nos fortaleçam, e que nenhum obstáculo nos faça desistir dos nossos sonhos!”.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do trio de ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!

Acompanhe Waldemar Niclevicz nas redes sociais:

http://www.niclevicz.com.br/
Facebook: facebook.com/waldemar.niclevicz/
Instagram: @waldemar_niclevicz

Testemunha conta detalhes horripilantes da morte de jogador Daniel Corrêa Freitas

Sobre o autor

Maria Luiza Piccoli

Maria Luiza Piccoli

(41) 9683-9504