Família de Curitiba consegue, em poucos dias, dinheiro pra exame urgente em bebê

Publicidade

Boqueirão Curitiba

Após áudio desesperado, família consegue grana pra exame urgente em bebê

Não demorou muito para que Kauane Silvia Gonçalves tivesse a melhor das respostas sobre a situação de seu filho, o pequeno Miguel Lorenzo Gonçalves da Silva, de um ano, que sofre de um problema ainda incerto. Além de ser ajudada como nem ela mesma imaginava, o hospital informou que o exame que o menino vai fazer, na semana que vem, deve ser coberto pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

+Leia também: Com apenas 19 anos, garota de Curitiba emprega toda a família em negócio de sucesso

A Tribuna do Paraná soube do caso depois que Kauane, que é policial militar, mandou uma mensagem desesperada num grupo de policiais pedindo ajuda. Durante o acompanhamento da situação de Miguel, que tem um crescimento alterado do crânio, a família descobriu que precisaria de um exame que não teria condições para pagar e tinha sido informada que custaria até R$ 40 mil.

Correndo contra o tempo, pois Kauane não sabe o quanto pode ser prejudicial ao filho esse crescimento do crânio, a jovem mobilizou uma campanha nas redes sociais. Logo após a primeira reportagem ser publicada, a própria mãe entrou em contato e informou ter conseguido o objetivo, que era arrecadar dinheiro para caso precise pagar pelo exame.

+ Atenção! Você está a um clique de ficar por dentro do que acontece em Curitiba e Região Metropolitana. Tudo sobre futebolentretenimentohoróscopo, blogs exclusivos e os Caçadores de Notícias, com histórias emocionantes e grandes reportagens. Vem com a gente!

Ainda não se sabe exatamente o que Miguel tem, mas o crânio dele cresce de forma desproporcional. Foto: Arquivo pessoal
Ainda não se sabe exatamente o que Miguel tem, mas o crânio dele cresce de forma desproporcional. Foto: Arquivo pessoal

“Estou muito feliz e não consigo nem explicar o que sinto. Consultei meu saldo do banco e, juntando com a vaquinha que criaram, estamos com o dinheiro que precisávamos. Por isso, queria já pedir que as pessoas parassem com a ajuda porque o que nós precisávamos aconteceu”, disse a jovem.

Além disso, ainda existe a possibilidade de que Kauane nem precise pagar pelo exame. Isso porque, em nota, o Hospital Pequeno Príncipe, que confirmou que Miguel é atendido pelo ambulatório de Doenças Raras da instituição, disse que a “equipe médica solicitou exames de imagem e laboratoriais (protocolo habitual para investigação de doenças raras) – todos cobertos pelo SUS – portanto sem custos para a família”.

Grande Curitiba ganha novo centro pra atendimento de crianças com necessidades especiais

Sobre o autor

Avatar

Lucas Sarzi

Jornalista formado pelo UniBrasil e que, além de contar boas histórias, não tem preconceito: se atreve a escrever sobre praticamente todos os assuntos.

(41) 9683-9504