UFPR vira ponto de tráfico de drogas e sexo | Tribuna PR - Paraná Online

Publicidade

Centro

Baderna na facul

Bagunça, barulho, bebedeira, consumo e tráfico de drogas e sexo. Este é o resumo do dia-a-dia de um lugar que deveria ser de encontros para estudos, leitura, pesquisa, silêncio e formação superior. Estamos falando da escadaria da biblioteca da Universidade Federal do Paraná (UFPR), que fica na Rua General Carneiro, ao lado da Reitoria, no Centro. O local virou ponto de encontro para baderna e a Tribuna flagrou o tráfico de drogas na escadaria.

Leia mais! Venda e consumo de drogas tiram a paz na Praça do Gaúcho

Bem em frente à escadaria está o ponto de ônibus do Intercampi, linha que transporta os estudantes de uma sede à outra da universidade. Mas as pessoas na fila sentem-se incomodadas, principalmente com o cheiro de maconha. Não precisa nem subir a escadaria. Basta passar em frente para sentir. “Tem dias que é tão forte que dá dor de cabeça. As pessoas na fila sentem-se intimidadas. E tem dias que não dá pra chegar na biblioteca, porque a escadaria está fechada de tanta gente”, reclama um dos alunos que precisa utilizar o ônibus para ir à aula e pediu para não ter o nome divulgado.

Uma jovem, que possui comércio nas proximidades, incomoda-se com a baderna descarada. “Se a gente tenta subir a escada, parece que é a gente que tá incomodando. Eles não saem do lugar. Ainda te olham com aquela cara estranha. Aquilo é uma boca de fumo, a qualquer hora do dia. De manhã, são os alunos do Sesi que ocupam as escadas. Os pais pensando que estão na escola e os adolescentes estão ali, usando drogas. De tarde, o perfil de público vai mudando. O bar bem em frente abre e o pessoal começa a beber cerveja. Vai com as garrafas pra escadaria. Das 16h em diante, começa o movimento maior. À noite, lota, com gente de tudo que é tipo. Os moradores próximos reclamam da baderna, do barulho, do fedor de urina de manhã cedo”, relatou a jovem, que também pediu para não ter o nome divulgado.

Foto: Tribuna do Paraná
Foto: Tribuna do Paraná

Difícil dormir

No prédio residencial quase em frente à escadaria da biblioteca da UFPR, na esquina com a Rua Conselheiro Araújo, os moradores já não sabem mais o que fazer. Já reclamaram, já pediram providências à universidade, já chamaram a Polícia Militar, já entregaram dossiê à Polícia Civil e nada conseguiram. Alguns moradores até chegaram a mudar-se do local, porque não aguentam o barulho a madrugada toda.

“Teve uma família que estava morando de aluguel aqui. Entregou na metade do contrato e pagou a multa rescisória porque não aguentou. Teve um dia que até fogueira fizeram aí na porta da nossa garagem, pra usar drogas”, disse uma das moradoras, que contou que um rapaz já foi até baleado em frente à escadaria, no dia 18 de agosto do ano passado.

Leia mais! Moradores do Batel sofrem com bagunça na Rua Coronel Dulcídio

Em uma disputa pelo ponto de tráfico, conforme a moradora, ele fugia de outro traficante, mas foi alcançado e morreu cheio de tiros, na frente do filho de 13 anos, que foi atingido de raspão na perna. Na época, a perícia verificou que pelo menos 20 disparos foram dados, por conta da quantidade de cápsulas de pistola encontradas na rua.

“Temos dois hospitais aqui perto, vários pensionatos em que os pacientes em recuperação se hospedam durante o tratamento, muitos idosos morando por aqui. Precisamos urgente acabar com a bagunça, mas não sabemos mais a quem recorrer”, diz a antiga síndica do prédio, que tem os muros e a calçada ao redor lavada quase todos os dias, por causa da urina dos baderneiros.

Foto: Tribuna do Paraná
Foto: Tribuna do Paraná

O uso de entorpecentes na escadaria da biblioteca da UFPR é descarado. Os jovens – nem todos parecem estudantes da universidade – usam vários tipos de drogas no local. A Tribuna flagrou o tráfico. Um dos traficantes fica sentado na escadaria, os usuários sentam ao lado, pedem o que querem, pagam e vão embora. Algumas vendas não chegam durar 10 segundos. Em poucos minutos, a reportagem filmou vários usuários comprando drogas.

Vários grupos de jovens ficam encostados diretamente nos vidros da biblioteca e o cheiro das drogas entram universidade adentro. Na cozinha do restaurante universitário também, os funcionários convivem com o cheiro insuportável de maconha quase todos os dias. A situação constatada pela reportagem lembra as reclamações de moradores e comerciantes do entorno da Praça do Gaúcho, relatada em Novembro pelos Caçadores de Notícias.

Indignadas

De um lado da biblioteca está o Diretório Central dos Estudantes (DCE) e o Restaurante Universitário (RU). Do outro, está a Casa da Estudante Universitária, um alojamento feminino de estudantes da instituição. Elas também se mostram incomodadas com a situação, pois colaram diversos cartazes nos vidros do saguão do prédio – onde muitos jovens ficam encostados, abrigados do sol e da chuva debaixo da marquise – pedindo que os baderneiros não urinem no local. São muitos cartazes mostrando o incômodo e pedindo respeito.

Boteco

Na esquina da escadaria existe um bar há bastante tempo. No entanto, segundo os moradores, a baderna ficou pior depois que outro bar foi aberto bem em frente à escadaria. Segundo relato de uma comerciante, que não quer se identificar, o bar funcionava na rua debaixo, a Dr. Faivre. Mas por reclamação dos moradores e outros comerciantes ao redor, o boteco fechou, mas reabriu em frente à escadaria, na Rua General Carneiro. “Isso mudou o cotidiano dos frequentadores da biblioteca e das redondezas. Ninguém se sente seguro ou confortável com isso”, disse a comerciante.

Foto: Tribuna do Paraná
Foto: Tribuna do Paraná

Difícil limpar

Uma funcionária da UFPR relatou que, de manhã, a escadaria está lotada de garrafas quebradas, pinos de cocaína, papelotes de outras drogas diversas, tocos de cigarros de maconha, camisinhas e urina por todos os cantos. Dá um baita trabalho para limpar todos os dias de manhã.

O prédio do Diretório Central dos Estudantes (DCE), que fica ao lado da biblioteca, estava aberto há até pouco tempo atrás. Atualmente, está com tapumes em volta para reforma. “Tem umas mesas de concreto em frente ao DCE. Quando ainda estava aberto, cheguei para trabalhar um dia e tinha gente cheirando fileiras de cocaína nas mesas. Até sexo o povo faz aí. De manhã é cheio de camisinhas. Passa a sexta e eles amanhecem o sábado aí. Tem que chamar o segurança pra tirá-los”, relatou uma das funcionárias.

A Tribuna flagrou um segurança da universidade passando pelo local durante a tarde. Mas ele não pode fazer nada além de ‘dar uma passada‘, conforme relatou um funcionário da universidade. Sozinho não consegue dispersar os baderneiros.

Foto: Tribuna do Paraná
Foto: Tribuna do Paraná

O que diz a UFPR e a polícia?

“A situação mencionada é motivo de preocupação para a administração da UFPR. No entanto, trata-se de um problema de segurança pública que a universidade não tem meios nem competência para solucionar. A instituição tem mantido contato com autoridades para discutir formas de resolver a situação. A UFPR tem uma linha telefônica específica para receber denúncias de situações relacionadas à segurança, a fim de que sejam encaminhadas às autoridades. Até o momento, não recebeu denúncias específicas sobre problemas na escadaria próxima à biblioteca central”, diz a nota, encaminhada pela UFPR.

Já a Guarda Municipal respondeu que “equipes auxiliam nas ações de policiamento ao redor do ponto citado. A região já foi atendida em edições anteriores do programa Balada Protegida. Reclamações da população podem ser feitas ao telefone da Guarda Municipal (153) e, também, aos serviços de Disque-denúncia (181) e de emergência da Polícia Militar (190)”. A Polícia Militar foi procurada, mas não se manifestou até o fechamento desta reportagem.

Sobre o autor

Tribuna do Paraná

Tribuna do Paraná

(41) 9683-9504