Falsos oftalmologistas agem em Curitiba e são flagrados pela Tribuna | Tribuna PR Paraná Online

Publicidade

Centro

“Golpe de vista”

Escrito por Tribuna do Paraná

Tribuna mostra como falsos oftalmologistas agem no Centro de Curitiba

Sem saber que uma investigação policial estava em andamento, a Tribuna esteve no Centro de Curitiba nas semanas passada e retrasada, para conferir uma denúncia que recebeu de venda casada (que é proibida) das óticas e do atendimento com optometristas. Nossa equipe foi abordada na frente de duas óticas, uma na Praça Rui Barbosa e outra na Rua Marechal Deodoro.

LEIA TAMBÉM: Teste visual em ótica é confiável? Tribuna foi conferir!

Em ambos os casos, os vendedores ofereceram consultas com optometristas. Uma delas foi em um edifício ao lado da Casa China, na Praça Rui Barbosa. A secretária não pediu nenhum documento, apenas fez uma ficha simples, com os dados informados. Recebeu os R$ 50 e não deu recibo.

O consultório era muito simples, só com o necessário para o atendimento. Quase sem móveis ou enfeites. A consulta foi rápida e nosso produtor, (que é míope, usa óculos e queixava-se de que os óculos estavam “fracos”), saiu de lá com um novo grau 0.50 maior do que as lentes que usava.

O vendedor, que esperava na recepção, levou o produtor de volta à loja. No caminho, mostrou que havia outros médicos que eles indicavam ao redor (em frente e ao lado da loja) e que como era aniversário da ótica, na compra das lentes a armação era de graça. Depois de alguns minutos na loja, outro vendedor percebeu que poderia estar sendo filmado e “desistiu” da promoção da armação gratuita. Mas queria vender óculos e lentes a qualquer custo. Chegou a baixar o preço quase pela metade.

Foto: Átila Alberti
Foto: Átila Alberti

Abordagem

Na Marechal Deodoro, a mesma coisa. Nossa produção foi abordada na calçada e aceitou o encaminhamento a uma consulta, no 15.º andar do edifício número 252 da rua. A secretária também não exigiu documentos e fez a ficha com os dados informados. Pelo menos deu recibo dos R$ 50. Mas tanto ela, quanto o optometrista, pareciam saber que se tratava de uma equipe jornalística investigando o local.

A espera da consulta demorou mais de uma hora, pois havia outros pacientes, levados pelos promotores da mesma rede de lojas. O optometrista fez uma longa e completa consulta. Diferente da consulta anterior, nosso produtor saiu de lá com um receita 0.75 maior do que o grau de óculos que já tinha. De volta à ótica, a vendedora parecia já saber que se tratava de investigação e “andou na linha”.

Bem diferente da outra vez que nossa equipe esteve nesta mesma loja, ofereceram levar na consulta (neste mesmo consultório) e que reverteriam os R$ 50 da consulta em desconto nas armações e lentes. Como a Tribuna já mostrou, em Curitiba a Justiça não permite que optometristas tenham consultório, realizem consultas, exames, prescrevam óculos ou adaptem lentes de contato, por entender que essas práticas, por lei, são atos exclusivos dos médicos.

Sobre o autor

Tribuna do Paraná

(41) 9683-9504