Cratera na Rua João Dembinski, em Curitiba, volta a se abrir | Tribuna do Paraná

Publicidade

CIC

Cratera que fechou rua da CIC no começo do ano volta a abrir em Curitiba

Cratera da Rua João Dembinski está se abrindo depois das ultimas obras. Foto: Átila Alberti/Tribuna do Paraná
Alex Silveira
Escrito por Alex Silveira

A cratera que interditou a Rua João Dembinki no primeiro semestre deste ano, na Cidade Industrial, em Curitiba, volta a preocupar moradores da região. Uma enorme rachadura voltou a aparecer no local, cinco meses depois da prefeitura finalizar as obras de reparo. A cratera fica em uma área de bosque, nos fundos do Centro de Educação Infantil Ubatuba Tambaú. Por causa dela, na época, a João Dembinski chegou a ficar quatro meses interditada, quando as fortes chuvas de janeiro fizeram com que um barranco cedesse bem ao lado de um conjunto de apartamentos. A nova rachadura começou a aparecer há cerca de um mês.

Leia mais! Condomínio em Curitiba está se desintegrando e moradores não sabem mais a quem recorrer!

Segundo uma moradora do conjunto de prédios ao lado, ela era pequena e aumentou rápido por causa das chuvas que caíram em Curitiba nas últimas duas semanas. “Isso aqui voltou a assustar. Da outra vez, começou assim e desabou de repente. Nós estamos pedindo para as crianças que voltam da escola tomarem cuidado”, alertou a diarista Maria Jandira da Cruz, 61 anos. Ela disse que os vizinhos começaram a comentar sobre a abertura de uma nova cratera quando a cerca do terreno visivelmente entortou. “O gramado que tem ali também já está afundando”, apontou.

Até mesmo uma reclamação já foi feita para a prefeitura pelo 156. “Passo por aqui todos os dias. A rachadura parece que aumenta a cada hora. Da outra vez, a cratera abriu 20 minutos após eu passar”, reclamou a vendedora Glaucia Simone Wroblewski, 35 anos. Ela mora há duas quadras do local, também em um conjunto de apartamentos, e os vizinhos estavam se organizando para postar fotos nas redes sociais. “Eu mesma queria postar, mas resolvi primeiro ligar para o 156. Todo mundo avisou que essa obra parecia estar sendo mal feita. Dava a impressão de que amontoaram terra e nem sequer bateram ela direito antes de recolocar o asfalto”, contou.

+Caçadores! Centenária Elvira causou quando estreou a primeira calça feminina em Curitiba!

Ao observar a nova rachadura de perto, que se abriu entre o meio fio e a ciclovia, por quase dez metros de extensão, nota-se que a sua aparência discreta esconde a gravidade do problema. Ela é profunda por debaixo do asfalto, demonstrando a fragilidade do terreno de sustentação. Além das chuvas que provocam infiltração, o tráfego de veículos pesados pela João Dembinski também pode estar contribuindo para um possível desmoronamento. “É grande a tremedeira do chão se você fica parado aí quando passa o ônibus Interbairros IV”, aponta João dos Santos, 50 anos, metalúrgico aposentado. Santos possui uma propriedade na Rua José Correia Tramujas, que desemboca direto na João Dembinski formando um cruzamento em “T”.

Foto: Átila Alberti/Tribuna do Paraná.
Foto: Átila Alberti/Tribuna do Paraná.

Santos costuma visitar a propriedade usando uma bicicleta. Ele conta que passou a fazer seu trajeto pelo outro lado da João Dembinski. “Eu também vi esse negócio caindo daquela vez. Prefiro não me arriscar. Pior é que eles vão ter que interditar de novo pelo menos um pedaço da rua para consertar. Daquela vez foi um pepino e todo mundo ficava pedindo para prefeitura fazer bem feito. Olha aí, o que deu”, reclama. “Isso aí tinha que fazer uma sustentação igual as que se fazem lá na Serra do Mar. Senão, cai tudo”, sugere, referindo-se ao “muro de arrimo” normalmente aplicado em muros e encostas para evitar deslizamentos de terra.

+Caçadores! Ação de marginal complica a vida de pais com crianças pequenas em creche

E a prefeitura?

A Secretaria de Obras Públicas (SMOP) informou que, a partir de hoje, técnicos do Departamento de Pontes e Drenagem farão o monitoramento da ciclovia da Rua João Dembinski, ao longo de pelo menos uma semana para avaliar as causas das trincas no pavimento. Numa análise preliminar, o departamento considera que pode ter havido uma acomodação do solo que não causa riscos de queda. A SMOP informou, ainda, que após o período de monitoramento, se houver necessidade, o Departamento de Pontes e Drenagem tomará as medidas para a correção do pavimento.

Cratera da João Dembinski

Quando a cratera na Rua João Dembinski se abriu na noite do dia 30 de janeiro deste ano, em uma área de bosque, nos fundos do Centro de Educação Infantil Ubatuba Tambaú, equipes da prefeitura de Curitiba foram ao local para realizar uma avaliação e a Superintendência de Trânsito fechou as imediações para evitar acidentes. Na época, o buraco gerou problema para todos os moradores, já que com a rua parcialmente bloqueada os pedestres e ciclistas precisavam dividir o espaço com os carros. Até o síndico do conjunto de apartamentos ao lado chegou a relatar que o muro do condomínio tinha ficado comprometido por causa do problema.
Embora a explicação da prefeitura para a origem da cratera tenha sido a ruptura de uma galeria pluvial, que teria causado a erosão e o afundamento da pista, alguns moradores afirmaram que o local sempre foi assim, e que resolveu “afundar de vez” naquele dia.

Cratera na Rua João Dembinski se abriu na noite do dia 30 de janeiro deste ano. Foto: Átila Alberti/Arquivo.
Cratera na Rua João Dembinski se abriu na noite do dia 30 de janeiro deste ano. Foto: Átila Alberti/Arquivo.

No dia 31 de janeiro, um dia depois da abertura no asfalto, o prefeito Rafael Greca foi até o local e informou que um muro seria construído emergencialmente, mas as obras de reparo e da construção do muro começaram somente no dia 12 de março, 40 dias após a formação do buraco. Segundo a prefeitura, isso ocorreu por causa da chuva. Enquanto isso, o trânsito ficou parcialmente bloqueado durante todo esse período de pré-início das obras, causando mudanças no transporte coletivo da região, e a promessa era de que elas fossem concluídas em 60 dias. E foram.

+Caçadores! Moradora ‘intima’ Greca por buracos na rua. A no seu bairro, tem buraco também?

Depois de mais de três meses de transtornos, principalmente no trânsito e de atrasos nas obras por conta das chuvas, a liberação do trecho bloqueado ocorreu no dia 16 de maio, 64 dias após o início das obras. A rua foi recuperada e motoristas, pedestres e moradores do bairro puderam, finalmente, se livrar dos transtornos.

Após a liberação, Greca esteve no local e disse que depois da conclusão da contenção, da recuperação do talude (terreno inclinado junto à pista) e da recomposição da pista, mais melhorias seriam feitas na região onde houve a erosão.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do trio de ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!

Condomínio em Curitiba está ‘desintegrando’ e moradores não sabem mais a quem recorrer

Sobre o autor

Alex Silveira

Alex Silveira

(41) 9683-9504