Radialista Fofão da Colombo precisa de ajuda pra seguir lutando pela vida

Publicidade

Colombo

Radialista há 37 anos, “Fofão da Colombo” precisa de ajuda pra seguir lutando pela vida

Gustavo Marques
Escrito por Gustavo Marques

O radialista José Orlando Gonçalves Martins, 56 anos, está precisando da ajuda para vencer mais uma batalha. Com 37 anos de profissão, o “Fofão da Colombo” luta contra um câncer medular de tireoide descoberto há um ano. Além da doença, o auxílio que recebia pelo INSS foi cortado e a família está com dificuldades para custear os remédios e pagar o aluguel da casa.

VOCÊ PODE AJUDAR – Colaborar para a Tribuna manter você bem informado durante a pandemia do coronavírus

Orlando, como é conhecido pelos companheiros da latinha, mora no bairro Atuba, em Colombo, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC). Sempre foi uma pessoa ativa e jamais gostou de ficar em casa. O trabalho veio desde pequeno como vendedor, auxiliar de escritório e balconista. Aos 17 anos, recebeu a oportunidade de trabalhar em veículos de comunicação. Passou pela rádio Globo, mas foi na Colombo que fez carreira dentro dos estúdios como sonoplasta e depois, assumindo o microfone como locutor. Djalma Malaquias, repórter da Rádio Banda B, trabalhou com Orlando em duas oportunidades e tem ótimas lembranças do amigo.

+ CAÇADORES: Casal transforma Fiorino em casa pra rodar o mundo com cadelinha

“ O Orlando sempre estava sorrindo e nunca reclamou de ninguém. Uma pessoa nota dez. Um cara sensacional, um baita profissional. Fiquei triste em saber que ele está doente e fiz uma visita na casa dele. A gente precisa ter mais amor e um contato é suficiente que a tristeza saia um pouco do ambiente. Estou orando muito por ele e Deus irá fazer um milagre ”, ressaltou Djalma.

Foto: Arquivo pessoal

A doença

Com a descoberta do câncer, Orlando começou a passar por tratamentos como radioterapia e quimioterapia no Hospital do Rocio, em Campo Largo, também na RMC. Com a forte medicação, o paciente foi perdendo forças. Hoje em dia, tem dificuldades para ficar em pé e até se movimentar. Além disto, não consegue se alimentar via oral e precisava do auxílio das filhas Nathaly e Greyci . Com a necessidade de estar com o pai por longos períodos do dia, Nathaly abandonou o emprego e até o namorado. “ Tenho 26 anos e larguei o trabalho. Sou formada em Logística, mas meu pai é tudo. É preciso retribuir tudo que ele fez para a gente”, explicou a filha.

+ CAÇADORES: Espeto corrido nasceu em churrascaria da região metropolitana de Curitiba

Orlando recebia do governo federal o auxílio-doença no valor de R$ 1.800, mas o benefício foi cortado em fevereiro. A ajuda era utilizada para realizar o pagamento do aluguel da residência. Sem o dinheiro do INSS, já são dois meses de atraso e a preocupação aumenta com o passar do tempo. Nathaly relata ainda que a irmã perdeu o emprego de cuidadora nos últimos dias devido ao novo coronavírus. “ Teve que fechar o lugar que ela trabalhava e estamos recebendo ajuda de amigos. Alguns colegas de rádio estão fazendo uma vaquinha para tentar pagar o aluguel e qualquer ajuda é importante”, relatou Nathaly.

Foto: Arquivo pessoal

Quer ajudar?

A família do Fofão da Colombo está precisando de ajuda em alimentos, remédios e dinheiro para pagar algumas dívidas. Fraldas geriátricas de tamanho grande, soro fisiológico e fita microporosa. ” Seria gratificante demais receber a ajuda das pessoas, pois está sendo muito difícil. Tenho fé que isto vai passar um dia”, concluiu Nathaly. O contato para colaborar é por telefone no número (41) 99797-8350.  

Foto: Arquivo pessoal

Sobre o autor

Gustavo Marques

Gustavo Marques

(41) 9683-9504