Cafeteria de Curitiba deixa cliente escolher quanto pagar pelo café

Publicidade

Curitiba

Quer pagar quanto? Cafeteria abre as portas em Curitiba com promoção especial no cafezinho

Avatar
Escrito por Lucas Sarzi

A história do café começou no século IX e, hoje em dia, consumir o produto se tornou muito mais do que um simples ato de tomar uma bebida qualquer. Para muitos, o café é uma arte e possibilita muitas experiências sensoriais. Mas não é novidade para ninguém que, nem sempre, o preço cabe no bolso, certo? Foi pensando nisso que uma empresária, ao abrir uma nova unidade de sua cafeteria, resolveu testar um jeito novo de vender o ‘pretinho básico’ e permitir que mais clientes possam consumir o produto.

+ Caçadores: Campeã entre os ouvintes! Rádio 98FM é líder de audiência por nove meses seguidos em Curitiba

A ideia surgiu para brindar a abertura da nova unidade da Fábrica Cafeteria, que vai ficar na Avenida Vicente Machado, bem na esquina com a Rua Desembargador Motta, no Centro de Curitiba. “Já vínhamos pensando nisso há seis meses, quando começamos a repaginar a loja, que era uma hamburgueria, e fizemos a junção com a cafeteria, pois as pessoas estavam pedindo bastante”, contou Bruna Gonçalves.

Cafezinho será pago com o valor considerado justo pelos clientes. Foto: Felipe Rosa / Tribuna do Paraná

Como o perfil dos clientes que passam pelo Centro de Curitiba é diferente, Bruna e o sócio, Márcio Ceschin, sentiram que poderiam ousar e botar um segundo projeto em prática. “Já até existem lugares onde o café é pago conforme a pessoa pode, mas nós queríamos dar um propósito a isso. Pensamos que seria muito legal que as pessoas do Centro, que é um público bem diversificado, pudessem passar e tomar um café da forma que pudessem naquele momento, pois sabemos que a situação financeira das pessoas pode mudar conforme o mês, por exemplo”.

E quanto vale o café?

A partir de hoje, quando inaugura oficialmente a cafeteria, junto à hamburgueria, quem passar pelo espaço vai poder escolher quanto vale o café expresso. “O valor que a gente cobraria é o sugerido, de R$ 4,50, mas a ideia é que as pessoas paguem quanto elas acham que vale. Pensando no próximo ou em si mesmas, elas vão poder decidir, naquele momento, quanto vão poder pagar”, explicou Bruna.

+ Caçadores:Delegado de Curitiba vira ‘paladino’ pela causa animal e põe infratores na cadeia

Desde que resolveu colocar a ideia em prática, muitas surpresas já foram surgindo. “O nosso primeiro cliente, que pagou quanto achava que valeria, deu R$ 5. Isso para a gente foi uma resposta muito positiva, porque tem gente das mais diferentes classes no Centro e a nossa ideia é fazer com que todo mundo que entre seja atendido da mesma forma”, detalhou a empresária, destacando que a ideia vai valer por um mês, mas pode continuar. “Se der certo, seguimos com o plano”. E quem é sócio do Clube Gazeta do Povo tem 20% de desconto na nova cafeteria.

Pensando além

O propósito dos empresários é fazer com que todo mundo possa ter a experiência de tomar um bom café. “Queremos que todo mundo tenha essa experiência junto com a gente. Temos muitos produtos com preço melhor, mais em conta, mas a ideia é pegar quem está trabalhando na região, do auxiliar de limpeza ao executivo de uma empresa, por exemplo. Trabalhador a gente sabe que às vezes está mais apertado naquele mês, então queremos que ele também se sinta à vontade de saber que pode pagar quanto puder naquele momento”.

O objetivo dos empresários é fazer com que todo mundo possa possa tomar um bom café. Foto: Felipe Rosa / Tribuna do Paraná

Por estar localizada numa área bem comercial, a cafeteria segue o mesmo padrão que já tinha a hamburgueria, que continua funcionando normalmente. “Com o hambúrguer nós já tínhamos uma questão mais acessível, até para abranger mais gente possível. E o café nós resolvemos ousar e tentar. É um risco que assumimos, porque pode ser que levemos prejuízo, mas o que a gente viu é que as pessoas vão abraçar a causa. Muita gente entrou em contato, gente que nem bebe café, mas que quer ajudar e tudo mais. Queremos que as pessoas não só passem pela calçada, mas que entrem e tomem o café aqui com a gente e conheçam a ideia”, comentou Bruna.

Outras delícias servidas pela cafeteria. Foto: Felipe Rosa / Tribuna do Paraná

A expectativa é que as pessoas realmente abracem a ação como uma causa e não simplesmente como uma forma de economizar ao tomar aquele cafezinho pela manhã.

+Caçadores! Procedimento de congelamento pode salvar perna de rapaz de Curitiba

“Espero tocar o coração das pessoas, que abracem a causa. Quero muito que todos entendam que estarão envolvidos no mesmo projeto: quem paga a mais, quem paga o valor sugerido, quem paga menos e a gente, que está assumindo o risco. Se funcionar bem, quero colocar essa forma de pagamento em toda a categoria de cafés. Vamos arriscar e ver se vai dar certo”, concluiu Bruna.

A cafeteria está localizada numa área comercial de Curitiba. Foto: Felipe Rosa / Tribuna do Paraná

Sobre o autor

Avatar

Lucas Sarzi

Jornalista formado pelo UniBrasil e que, além de contar boas histórias, não tem preconceito: se atreve a escrever sobre praticamente todos os assuntos.

(41) 9683-9504