Ex-dependente químico deixa as ruas após 30 anos e quer refazer os dentes pra voltar a sorrir

Publicidade

Curitiba

Claiton mudou de vida e voltou pra casa após 30 anos, mas não consegue mais sorrir pois perdeu os dentes; bora ajudar?

Gustavo Marques
Escrito por Gustavo Marques

“ O dependente químico precisa ser abraçado pela sociedade de uma maneira diferente”, assim definiu um ex-morador em situação de rua que está recuperado e servindo aos outros no trabalho. Claiton Fernandes de Oliveira, 44 anos, ficou por 30 anos rodando por avenidas em vários estados do Brasil e tem um sonho que não está não distante assim – refazer todos os dentes que foram prejudicados ao longo do tempo.

LEIA TAMBÉM – Sebo Estação 80, em Curitiba, tem tudo dos anos 80: Brinquedos, relíquias e objetos clássicos

Claiton nasceu na cidade de Xaxim, no Oeste de Santa Catarina, mas há 35 anos, a família veio morar em São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba. Na adolescência, teve o primeiro contato com a droga e demorou para largar. “No começo a gente pensa que não vai acontecer nada. Um cigarro, uma bebida e um baseado não vai prejudicar ninguém. É aí que a gente se engana e vai utilizando coisas mais pesadas. São influencias erradas na hora errada”, disse Claiton.

Com a dependência química, o jovem foi deixando a família de lado e decidiu seguir para as ruas. Foi morar ao relento para consumir drogas e na cabeça tinha em mente que aquilo era o melhor a se fazer com o objetivo de preservar as pessoas mais próximas. Andou por cidades do Pará, Mato Grosso, Tocantins, Goiás, Maranhão, e já consumindo o crack, uma das drogas mais destruidoras ao organismo.

MAIS CAÇADORES – Ex-alunos fazem vaquinha pra reformar fusca que compraram e deram de volta a professor

“Muitas pessoas buscavam ajudar nesse caminho, mas os conselhos ficavam no lado obscuro. Não é algo simples e rápido para quem está nesse mundo. A ajuda precisa sair da gente, em primeiro lugar, para se recuperar. É uma questão de escolha e só quem passou pelo problema tem noção. Viver isso na pele é muito triste e difícil”, afirmou Claiton.

A virada da chave

Depois de praticamente 30 anos tendo a droga como companhia, Claiton procurou ajuda na comunidade terapêutica Nossa Senhora de Fátima, no município de São Marcos, no Rio Grande do Sul.  O tratamento durou praticamente seis meses e de lá, saiu completamente “limpo”. “Lá abriu a minha mente e o tratamento fez efeito. Eu estava quase morrendo, em um estado deplorável de vida. Quando saí, percebi que precisava estar perto da minha família e que não seria fugindo deles que eu poderia mudar. Graças a Deus, eles abriram a porta novamente da casa e sou outra pessoa”, reforçou Claiton.

Foto: Lineu Filho/Tribuna do Paraná

Com a recuperação em dia, partiu arrumar um trabalho e ajudar nas despesas de casa. Claiton reside com mais quatro pessoas (mãe, a irmão, o cunhado e o sobrinho), no bairro Barro Preto. Conseguiu oportunidade como garçom no Dulce Restaurante, na Colônia Mergulhão, em São José dos Pinhais. “Sou profissional e tenho orgulho demais do meu trabalho e quero crescer ainda mais. Gosto demais de cozinha e ainda quero fazer um curso de chef. O servir as pessoas é gratificante e agradeço sempre pelo emprego. Não é fácil dar oportunidade para alguém que foi dependente químico e só tenho a agradecer”, relatou Claiton.

O sonho

Talvez para algumas pessoas, não ter a dentição correta não venha a ser algum problema. No entanto, a falta de dentes ou mesmo outro tipo de irregularidade causa transtornos diários. A baixa autoestima fica presente e atrapalha no trabalho, no relacionamento e pode causar doenças. No período em que morava nas ruas e sofria pela abstinência das drogas, Claiton teve seus dentes foram prejudicados.

VIU ESSA? Mulher que perdeu fotos da filha que morreu faz apelo emocionado em cartas espalhadas por Curitiba

“Eu sofria de bruxismo, pois ficava rangendo os dentes nos momentos de estresse e nervosismo. Sofro muitas dores na boca e preciso de um tratamento completo. Minha mastigação é errada e sofro demais. Sinto que minha mandíbula não está conectada. Ficaria muito grato caso alguém possa ajudar e meu sorriso voltaria”, confessou Claiton.

Para ajudar

Quem quiser auxiliar no tratamento, pode entrar em contato com o Claiton pelo telefone (41) 99159-4730.

LEIA TAMBÉM – Jovem artesã conquista redes sociais vendendo bordados em folhas de árvores

Sobre o autor

Gustavo Marques

Gustavo Marques

(41) 9683-9504