Publicidade

Curitiba

“Prefeito, queremos o direito de ir e vir”, dizem curitibanos na bronca!

Moradores convivem com buracos, pó e muita lama há muito tempo e pedem o asfalto pra prefeitura

“Senhor Prefeito, queremos que o direito de ir e vir seja respeitado”, é o que diz apenas uma das várias faixas penduradas em portões e cercas da Rua Ludovico Kaminski, no bairro Augusta, em Curitiba. Cansados de conviver com buracos, pó e muita lama nos dias de chuva, moradores da região resolveram apelar, já que há quatro anos vivem com a expectativa de melhoras na via. O sonho é ter uma rua asfaltada, isso porque o local, além de servir de acesso para moradores, é caminho para caminhões que seguem rumo a grandes empresas que ali estão instaladas.

+Caçadores! Avô combina com empresa de ônibus e consegue realizar sonho de neto Curitiba

Diagnosticado com doença pulmonar obstrutiva crônica, conhecida como DPOC, o pai de Amélia Mariotto Feliz, de 40 anos, tem vivido um verdadeiro pesadelo por conta da rua repleta de pó. A doença bloqueia o fluxo de ar e dificulta a respiração, o que é agravado quando existe muita poeira. Com diversos papéis nas mãos e cheia de histórias para contar sobre a batalha da reforma da rua, Amélia convive com este problema há anos e diz que já tentou de tudo.

Foto: Átila Alberti/Tribuna do Paraná.
Foto: Átila Alberti/Tribuna do Paraná.

Foram feitos abaixo-assinados, protocolos e até mesmo professores da Escola Municipal Colônia Augusta, de acordo com os moradores, tentaram melhorias, mas nada foi feito. “Nunca ninguém ouviu e é uma luta. É muito complicado, porque além do meu pai, eu tenho um filho que tem uma bronquite muito séria e com a rua deste jeito, não é fácil”, explicou. A moradora, que vive na região há 17 anos, conta que para conseguir uma resposta foi necessário entrar em contato com outros órgãos além da Prefeitura de Curitiba.

+Caçadores! Ponto turístico com vista deslumbrante está completamente abandonado!

“Há quatro anos eu procurei o Ministério Público do Urbanismo, por meio de um abaixo-assinado, para que a gente pudesse ser ouvido pelas gestões que passaram. Eles servem como um braço direito, sempre fizeram ofícios, tudo para que a gente fosse visto. O Fruet não conseguiu fazer e agora caiu para o atual prefeito. Nós já passamos por uma audiência pública e o vice-prefeito nos disse que no próximo ano vamos ter esta melhoria. Até então ficamos com esta situação, difícil não só pra mim, mas pelos funcionários de empresas e vizinhos. No entorno, temos mais de 50 empresas e toda a logística é por aqui”, explicou.

Problema de todos

Moradores do Bairro Augusta reclamam e colocam faixas para alertar a prefeitura sobre as condições da rua Lodovico Kaminski. Foto: Átila Alberti/Tribuna do Paraná
Moradores do Bairro Augusta reclamam e colocam faixas para alertar a prefeitura sobre as condições da rua Lodovico Kaminski. Foto: Átila Alberti/Tribuna do Paraná

Com poucos moradores na região, a “briga” é de todo mundo. A analista de departamento pessoal, Angélica Almeida Bessel, explica que mora na região há muitos anos e que às vezes fica até contente quando chove, porque sabe que ao menos a poeira deixará de existir. A família toda mora no mesmo terreno e não há quem não se incomode com a situação da Rua Ludovico Kaminski.

“Fico mais feliz quando chove. Aqui em casa a gente não vence limpar as coisas. Limpamos e em minutos já está sujo de volta. Vocês vieram em uma semana que choveu bastante, então a rua está cheia de buraco, mas quando o tempo está seco, não dá nem para ver o veículos passando, acredita? Sobe uma poeira enorme e, com certeza, se fosse em algum desses dias, eu não ia nem ver vocês chegando em frente à minha casa. É muito triste e estamos unidos nesta causa, esperamos que ano que vem algo seja feito, porque não está fácil”, esclareceu.

O pai de Amélia Mariotto Feliz, de 40 anos, tem vivido um verdadeiro pesadelo. Foto: Átila Alberti/Tribuna do Paraná.
O pai de Amélia Mariotto Feliz, de 40 anos, tem vivido um verdadeiro pesadelo. Foto: Átila Alberti/Tribuna do Paraná.

Para entender como está a situação da rua e se uma obra deve iniciar em breve, a reportagem entrou em contato com a Prefeitura de Curitiba, por meio da Secretaria de Obras, e o órgão informou que, de fato, a obra está prevista para o ano que vem, mas que ainda não é possível precisar a data de início. Por meio da assessoria de imprensa o órgão garantiu que o orçamento está sendo feito e que o problema deve deixar de existir muito em breve.

+Caçadores! Tá chovendo aí? Conheça o criador deste meme curitibano!

“A Secretaria de Obras Públicas da Prefeitura de Curitiba informa que um estudo técnico e financeiro está sendo feito para a implantação de asfalto definitivo no referido trecho da Rua Ludovico Kaminski, na Cidade Industrial de Curitiba. Com a obra, além do pavimento, a via ganhará calçada e drenagem. A recuperação da rua será definida como prioritária para o orçamento do próximo ano”, diz a nota.

Além da Rua Ludovico Kaminski, a reportagem questionou outras duas ruas vizinhas, que também estão comprometidas e que também servem de acesso para os moradores. O órgão disse que elas estão na programação para manutenção e operação tapa buraco.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do trio de ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!

‘Certidão de nascimento’ comprova qual foi a primeira lombada eletrônica de Curitiba (e do mundo)

Sobre o autor

Luiza Luersen

(41) 9683-9504