Publicidade

RMC

Ajude os gêmeos!

Uma semana após o nascimento dos irmãos gêmeos Asaphe e Anna Vitória e do sepultamento da mãe deles, Frankielen da Silva Zampoli, 21 anos, a família está emocionada com o carinho que recebeu. A jovem morreu de hemorragia cerebral, mas dentro dela batiam outros dois corações. Ela aguentou firme, hospitalizada por quatro meses, numa verdadeira luta em prol da vida dos filhos que gerava. As crianças nasceram saudáveis e continuam internadas no Hospital Nossa Senhora do Rocio, em Campo Largo, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC).

Equipes da Tribuna e da RPC estiveram na casa da família, em Contenda, para gravar reportagens. Foto: Felipe Rosa.
Equipes da Tribuna e da RPC estiveram na casa da família, em Contenda, para gravar reportagens. Foto: Felipe Rosa.

Depois de uma gravidez monitorada o tempo todo, 24 horas por dia, a família hoje vive entre as visitas alegres e os momentos tristes, de lembranças. Mesmo assim, o carinho das pessoas tem dado força. “O que nós recebemos, junto com o milagre que Deus fez pela gente, nos dá força pra seguir. Porque o que vivemos nestes últimos meses é uma mistura de emoções. Ao mesmo tempo em que eu sinto dor, sinto muita alegria”, comenta Ângela Silva, mãe de Frankielen.

Depois que a história foi mostrada pela RPC, muita gente procurou uma forma de tentar ajudar a família a seguir em frente na luta pela vida dos gêmeos. “A gente recebeu muitas ligações de pessoas querendo doar. Algumas deixaram claro que não tinham muito, mas que queriam ajudar de alguma forma. E sabemos que ainda vamos precisar de mais”.

gemeos4Milagre

Segundo Ângela, ver que as se envolveram com a história foi ainda mais emocionante. “Ainda mais nos dias de hoje, né? Isso nos mostra que as pessoas são boas. Ao mesmo tempo, pra gente é triste, porque continuamos indo ao hospital para ver os bebês, mas não a vemos mais. Ela não está mais lá”. A força tem vindo dos gêmeos e também de Isis, a filha de um ano que Frankielen já tinha com o marido, Muriel Padilha.

Guerreiros desde antes de nascerem, Asaphe e Anna continuam internados, mas estão bem. Ela nasceu com 1,4 quilo e ele com 1,3 quilo. “Mas ainda vão precisar ficar mais um tempo no hospital. É uma descoberta a cada dia, não só pra gente, mas principalmente para os médicos. Tem sido um desafio”, conta a avó, que disse contar com a ajuda de Deus. “Eles já são um milagre pra nós”.

Carta recebida pela avó ao sair do hospital: demonstração de afeto. Foto: Felipe Rosa.
Carta recebida pela avó ao sair do hospital: demonstração de afeto. Foto: Felipe Rosa.

Semeando amor

Na semana passada, a direção do clube de Contenda, cidade da RMC onde a família mora, organizou um bingo para ajudar os bebês. Nos próximos dias, um chá também está para ser feito com a mesma intenção. Muitos itens ainda são necessários, mas, em contrapartida, algumas coisas – como os berços – a família já ganhou. Tudo que vier a partir de agora vai poder ajudar também outras pessoas.

As crianças nasceram saudáveis e continuam internadas no Hospital Nossa Senhora do Rocio.
As crianças nasceram saudáveis e continuam internadas no Hospital Nossa Senhora do Rocio.

Ontem, as equipes de reportagem da Tribuna e da RPC estiveram na casa de Ângela. Enquanto Isis, a irmã dos gêmeos, corria pelo jardim, a avó contou que o que mais precisam neste momento são fraldas e roupinhas de bebê. “Nós tomamos a decisão de que vamos continuar recebendo todas as doações de quem quiser. Ao final, vamos ver o que a gente realmente precisa e o que a gente já tiver, nós vamos passar para outras pessoas que também precisam”.

gemeos5Semear o amor. Foi como Ângela definiu o que ela pretende fazer. “Da mesma forma que era minha filha. Ela sempre gostou de ajudar as pessoas, até por isso que hoje eu falo emocionada que o coração dela bate em um rapaz, depois da doação dos órgãos. Sinto que ela está feliz com o que está acontecendo”.

O carinho foi tamanho, que as doações não foram só de bens materiais, mas também de afeto. “Recebi, na saída do hospital, uma carta de uma mulher que não tinha condições de ajudar. Ela não imaginava, mas me fez um bem tão grande”, relata Ângela.

Como ajudar

As doações para a família de Frankielen podem ser feitas diretamente para a avó, pelo telefone (41) 99561-4835. Além disso, como os bebês continuam internados, a família não sabe o que vai precisar quando eles saírem. “Pode ser que tenham que tomar algum leite específico, algum remédio. Mas isso ainda não sabemos”, explica Ângela. Por isso, as doações também podem ser feitas em dinheiro, em uma conta poupança que a avó vai destinar somente aos irmãos gêmeos.

Doações em dinheiro:
Banco Bradesco
Agência: 6122-0
Conta Poupança: 1000207-9
Ângela Maria Souza da Silva
CPF 390.539.462-68

Sobre o autor

Lucas Sarzi

Jornalista formado pelo UniBrasil e que, além de contar boas histórias, não tem preconceito: se atreve a escrever sobre praticamente todos os assuntos.

(41) 9683-9504