Após perder filho, casal quer arrecadar 10 mil fraldas para crianças especiais

Publicidade

Almirante Tamandaré RMC

Ajudar pra superar

Pais de vítima de paralisia cerebral promovem evento beneficente anual para ajudar famílias de portadores de necessidades especiais

POR Maria Luiza Piccoli

Superação da dor com o amor e transformação do luto em festa. Ao falar sobre o projeto “Confraternização de Crianças Especiais”, a costureira Soraia Neves não contém a emoção. A inciativa, que surgiu em um momento de profunda tristeza, tem ajudado famílias de crianças portadoras de necessidades especiais em Curitiba, Região Metropolitana e Litoral, há sete anos.

A razão da celebração, que acontece uma vez por ano na Fundação de Asseio e Conservação do Estado do Paraná (Facop), em Almirante Tamandaré, é o engajamento social que nasceu no coração da costureira e de seu marido – o vendedor Nelson dos Santos – após a morte do filho Gabriel, aos 9 anos, por falência múltipla de órgãos. As dificuldades enfrentadas pelo menino, no entanto, começaram muito antes disso.

Soraia e Nelson contam com a solidariedade para ajudar crianças com necessidades especiais. Foto: Felipe Rosa
Soraia e Nelson contam com a solidariedade para ajudar crianças com necessidades especiais. Foto: Felipe Rosa

O diagnóstico de paralisia cerebral veio já nos primeiros dias de vida da criança, que nasceu com o cordão umbilical enrolado no pescoço. Sem oxigenação, Gabriel foi encaminhado às pressas para a UTI neonatal, onde ficou internado por 30 dias. Ali, Soraia e Nelson receberam o prognóstico desolador: a falta de oxigênio provocara uma paralisia cerebral na criança, e a perspectiva de sobrevivência era mínima. “Os médicos deram 15 dias de vida para o Gabriel. Fomos instruídos a nos preparar para o pior, mas com a bênção de Deus ele resistiu”, lembra a mãe.

A infância breve, repleta de complicações, foi dividida entre procedimentos cirúrgicos, exames e visitas ao hospital. O menino sofria convulsões constantes já a partir dos 6 meses de vida. Com o tempo, outras doenças surgiram por conta da paralisia cerebral, como a encefalomalácia multicística, e a sídrome de west, caracterizadas pelas convulsões violentas e repetitivas. “Ele chegava a ter 15, até 20 convulsões por dia. Era muito sofrimento, e só piorava. Houve momentos que já não sabíamos mais o que fazer”, diz. Em julho de 2012, após complicações de uma cirurgia para tratar uma hérnia de hiato, o menino faleceu por falência múltipla de órgãos. “Ele morreu em julho, e já estávamos preparando a festa de aniversário dele. Em setembro, o Gabriel faria 10 anos. Foi muito difícil assistir a morte do nosso filho em um momento que, para nós, era tão especial‘, lembra Nelson.

Em julho de 2012, após complicações de uma cirurgia para tratar uma hérnia de hiato, o menino faleceu por falência múltipla de órgãos. Foto: Reprodução
Em julho de 2012, após complicações de uma cirurgia para tratar uma hérnia de hiato, o menino faleceu por falência múltipla de órgãos. Foto: Reprodução

Foi nesta hora improvável, ainda no calor do luto e após apenas dois meses do falecimento de Gabriel, que o casal concebeu a ação social. Com a proximidade da data do aniversário do filho, Soraia decidiu não se entregar à tristeza. “Eu senti em meu coração que devia, de alguma forma, celebrar o aniversário do Gabriel. Decidi fazer uma festa, porém com uma finalidade muito especial. Conseguimos arrecadar 2 mil fraldas geriátricas para doação. No dia 7 de setembro fizemos uma grande festa na sede da Facop. Com a ajuda de amigos e clientes da nossa confecção, distribuímos as fraldas entre dez famílias de crianças portadoras de necessidades especiais”, relembra Soraia.

Desde então, a “Confraternização de Crianças Especiais” acontece anualmente no dia 17 de setembro (a mudança da data aconteceu em virtude do feriado). Rapidamente, famílias de outros municípios foram incluídas no projeto, e o número de crianças beneficiadas com a ação saltou de 10 para 56 desde a primeira edição. A decoração, a comida, as lembrancinhas e toda a organização do evento acontecem com a ajuda de amigos e parceiros voluntários. Este ano, a expectativa é de que 56 famílias participem da festa, e o objetivo do casal é arrecadar 10 mil fraldas geriátricas até o dia 17. “Nosso objetivo é entregar até 120 fraldas para cada criança, por isso, qualquer ajuda é bem-vinda”, ressalta Soraia.

Meta do casal é arrecadar 10 mil fraldas. Foto: Felipe Rosa
Meta do casal é arrecadar 10 mil fraldas. Foto: Felipe Rosa

Por que fraldas geriátricas?

A escolha pelas fraldas geriátricas partiu da necessidade observada com o próprio filho. Problemas como incontinência urinária e disfunções intestinais são comuns entre portadores de doenças como a paralisia cerebral, não somente devido às próprias patologias, mas também por conta dos medicamentos utilizados nos tratamentos, como antibióticos fortes, que provocam alterações no sistema gastrointestinal. De acordo com Soraia, a demanda chega a até 6 fraldas por dia.

Outras ações voluntárias

Por meio das redes sociais, Soraia e Nelson conversam, orientam e trocam experiências com pais e amigos de crianças especiais. O engajamento social se tornou tão parte da rotina, que o casal promove visitas semanais a famílias não só de Curitiba, mas de outros municípios. “Muita gente acaba nos procurando ou telefonando. Nós simplesmente não conseguimos dizer não. Recentemente fomos visitar uma criança em Shangri-lá, no litoral do Estado”, conta Nelson.

Nos encontros, feitos de forma completamente voluntária, nada além do carinho, do toque e do abraço de Soraia, que a cada criança aninhada nos braços, relembra emocionada do filho. “Abraçar estes anjinhos me faz sentir como se eu estivesse segurando novamente o Gabriel. Nada paga a sensação de fazer o bem ao próximo”, finaliza.

SERVIÇO

7ª Confraternização de Crianças Especiais
Onde: Sede da Fecop – Rua Augusto Cerri, 95 – Almirante Tamandaré
Quando: 17 de setembro de 2017, às 14h30

COMO AJUDAR?

– Doações de fraldas geriátricas P, G, GG E EG
Soraia e Nelson
(41) 99702-3908
(41) 3657-2945

– Depósitos em conta bancária

Caixa Econômica Federal

Agência: 3708

C/C 24.442-8

CPF 595.004.509-25

Nome: Soraia Neves de Lima dos Santos

Sobre o autor

Tribuna do Paraná

(41) 9683-9504