Caça utilizado para patrulhar fronteiras do Brasil se aposenta em Curitiba

Publicidade

Santo Inácio

“Falcão das fronteiras”, caça da FAB vira peça de estudos em Curitiba após aposentadoria

Gustavo Marques
Escrito por Gustavo Marques

Um caça que pertenceu a Força Aérea Brasileira (FAB) e que participou de missões militares faz parte do dia a dia da Universidade Tuiuti do Paraná (UTP), na sede localizada no bairro Santo Inácio, em Curitiba. A aeronave foi fabricada na Itália, passou pela África do Sul e depois de cuidar das fronteiras brasileiras encerrou a sua vida útil aqui na capital.

Alunos do curso de Engenharia Mecânica tiveram a honra de participar da montagem do avião nas dependências da instituição. Foi um presente da Força Aérea Brasileira (FAB) e com uma única exigência, o motor não pode ser instalado para evitar que o avião funcione.  

O caça é um modelo Impala, motor Rolls Royce, com autonomia de 2130 km e alcança a velocidade de até 867 km/h. O custo aproximado da aeronave é de 50 milhões de dólares. É um avião concebido para atacar alvos terrestres com bombas ou tiros de metralhadora acoplados nas laterais da aeronave. Além disto, por ser relativamente pequeno e ter agilidade, o caça é perfeito em perseguições e interceptações em aviões inimigos. As peças foram fabricadas na Itália e o avião montado na África do Sul, depois comercializado com o Brasil, onde participou de ações de vigilância nas fronteiras na Amazônia e litoral. É um avião para apenas um tripulante. 

A chegada desta aeronave na UTP aconteceu em 2013 e foi um pedido do pró-reitor Carlos Eduardo Rangel Santos, o Neneco (já falecido). Entusiasta e amante da velocidade, entrou em contato com o Ministério da Defesa para tentar conseguir uma turbina aeronáutica ou uma aeronave para que os estudantes tivessem acesso aos equipamentos após a criação dos cursos acadêmicos de Manutenção de Aeronaves e Piloto de Aeronave Profissional. Na época, a FAB apresentava uma série de aviões que estavam parados na base em Recife (PE) por questões técnicas, como horas de uso em excesso ou data de fabricação.

O uruguaio Rodolfo Perdomo, 61 anos, mais conhecido como Lolo, era o coordenador do curso de Engenharia Mecânica e acompanhou todo o processo desde a chegada do caça até a montagem realizada pelos estudantes em 48 horas.

“Chegaram duas carretas com o avião desmontado e pensávamos que seria um modelo Xavante, mas veio o Impala. Um sargento e dois oficiais acompanharam de perto e orientaram na remontagem. Imaginavam que ficaria pronto em dez dias, mas terminamos em dois. A turma estava muito motivada e foi uma ótima chance aos nossos alunos para que colocassem a chave no parafuso”, relembra Lolo que atualmente exerce o cargo de coordenador do departamento de Relações Institucionais da UTP e professor do curso de Engenharia Mecânica.  

Remontagem e furo no tanque de combustível  

A remontagem como de qualquer veículo precisa de espaço e de conhecimento. No caso de um Impala que possui um comprimento de 10,67 e altura de 3,72 metros, a universidade disponibilizou as instalações para a atividade. A fuselagem, as asas e todos os comandos precisavam estar alinhados e o motor não pôde ser instalado para evitar qualquer tipo de funcionamento.

“Foi uma montagem interessante, pois lembro que colocamos o charuto (fuselagem) em pé e fomos alinhando as asas e colocando os pinos. Os oficiais da FAB queriam furar os tanques de combustível para que não funcionasse a aeronave, mas comentei com eles que não adiantaria, pois, nossa equipe teria condições de restaurar. Ficou do jeito que veio e não fui destruído. Ele está inteiro, mas não colocamos o motor do lugar por uma questão de confiança mútua. O governo fez a diferença de nos ceder o avião e não iremos fazer nada. O motor nunca foi desmontado e o avião está intacto”, disse Perdomo.  

Top Gun 

Em Curitiba, além do caça da UTP, outros três aviões estão expostos para comunidade. O mais conhecido é o Republic P-47 Thunderbolt, caça da Força Aérea do Brasil que combateu na 2ª Guerra Mundial. O combatente completou em 2019, 50 anos em exposição na Praça do Expedicionário, no centro de Curitiba. Este modelo foi o maior, o mais caro e o mais pesado caça monomotor de combustão na história da aviação militar. O P-47 foi largamente produzido nos Estados Unidos e utilizado como caça pelos exércitos aliados na segunda grande guerra.  

Republic P-47 Thunderbolt, caça da Força Aérea do Brasil que combateu na 2ª Guerra Mundial. Foto: Arquivo/Cassiano Rosário/Gazeta do Povo.

Outro caça que pode ser visto está localizado em frente ao Cindacta II, no bairro Bacacheri. É um Gloster Meteor de fabricação britânica montado no Rio de Janeiro entre as décadas de 50 e 60. O Meteor logo transformou em sinônimo de avião de ataque por ser o principal caça da FAB até 1970 quando os Xavantes foram adotados. O último voo em missão do Meteor no Brasil foi em 1971.  Ainda dentro das instalações do Cindacta, tem o caça F-5. As visitações não são individuais, somente em grupos com pré-agendamento, mas com pandemia as visitas estão suspensas.

Gloster Meteor de fabricação britânica está na frente do Cindacta II e chegou voando até a base de Curitiba. Foto: Arquivo/Daniel Castellano/Gazeta do Povo.

O Impala também não pode receber visitação para não causar aglomeração de pessoas que buscam o melhor registro com o avião. “O público interage com o avião e tira muitas fotos. Todos sonham em ser um pouco o Top Gun”, orgulha-se Lolo, que trabalhou dez anos na Fórmula 1 na extinta equipe Jordan e segue ajudando alunos em projetos universitários.

Sobre o autor

Gustavo Marques

Gustavo Marques

(41) 9683-9504