Município está disponibilizando linhas de crédito, capacitação para os empreendedores e acelerando o processo de abertura das empresas

Para impulsionar a retomada econômica após a pandemia de Covid-19, a Prefeitura Municipal de Curitiba está disponibilizando uma série de serviços para apoiar micro e pequenos empreendedores da capital paranaense e região. São diversas estratégias para promover a qualificação dos profissionais, além de mais de R$ 220 milhões de créditos que o município deveria receber em impostos, taxas e outras cobranças e que estão sendo transformados em recursos financeiros e injetados na economia da cidade por meio da oferta de crédito, estruturação dos serviços e capacitação dos trabalhadores que decidiram atuar de forma autônoma.

Aline Inocencio Folador, 30 anos, foi uma das pessoas que, impulsionada pelo nascimento do filho Eduardo – hoje com 1,8 ano – e pela pandemia de Covid-19, decidiu mudar sua trajetória profissional. Com uma carreira consolidada na indústria farmacêutica, setor que lhe exigiria retorno presencial após a licença maternidade e sem ter creches ou escolas abertas para deixar o bebê de pouco mais de seis meses, Aline aproveitou os sinais que o mercado estava dando e resolveu investir em um negócio próprio, no ramo de e-commerce. Assim nasceu a Lloret, uma loja virtual de moda praia e sleep wear (pijamas, camisolas e similares).

A jovem empreendedora conta que ficou surpresa com a rapidez do processo para a abertura da empresa. Foram seis meses de planejamento do negócio, porém, depois que ele estava idealizado, o processo ocorreu de forma extremamente rápida. “Passei um período planejando, criando a marca, a identidade visual e só decidi abrir, de fato, em fevereiro deste ano. Em poucos dias eu estava com todos os documentos necessários em mãos. Foi tudo muito rápido e sem burocracia”, comenta.

Portal da retomada

As modalidades oferecidas pela Prefeitura estão reunidas no portal Retomada Curitiba (https://retomada.curitiba.pr.gov.br/). São opções que vão desde facilitar o acesso ao crédito, acelerar e desburocratizar o processo de abertura de empresas, até a capacitação desses trabalhadores para se tornarem gestores de seus próprios negócios.

Lançado em agosto de 2020, o Programa de Retomada Econômica Pós-Pandemia reúne um conjunto de ações para auxiliar atividades produtivas (principalmente as de pequeno porte) a atravessar a crise econômica causada pela Covid-19 e ajudar a manter empregos.

No total, são R$ 220,6 milhões de créditos que o município deveria receber em impostos, taxas e outras cobranças e que estão sendo transformados em recursos financeiros e injetados na economia da cidade, a partir de uma série de estratégias destinadas principalmente aos micro e pequenos empreendedores e profissionais que, por conta da pandemia, perderam seus empregos e que pretendem trabalhar de forma autônoma a partir de agora.

Espaço empreendedor

Espaços Empreendedor da Prefeitura oferecem atendimentos gratuitos presenciais para os microempreendedores individuais (MEIs). | Crédito: Ricardo Marajó/ SMCS
Espaços Empreendedor da Prefeitura oferecem atendimentos gratuitos presenciais para os microempreendedores individuais (MEIs). | Crédito: Ricardo Marajó/ SMCS

Quem precisa de algum tipo de orientação para abrir, regularizar, formalizar ou obter crédito com o Fundo de Aval de Curitiba para um negócio pode recorrer aos Espaços Empreendedor da Prefeitura. Essas unidades oferecem atendimentos gratuitos presenciais para os microempreendedores individuais (MEIs), mas o serviço precisa ser agendado previamente pelo site (https://agendaonline.curitiba.pr.gov.br/#!/login ).

Os Espaços Empreendedor da Prefeitura estão localizados nas Ruas da Cidadania Boa Vista, Bairro Novo, Santa Felicidade, Boqueirão, Cajuru, Fazendinha/Portão, Pinheirinho, Tatuquara e na administração regional da CIC.

Além da formalização de MEIs, as unidades oferecem outros serviços gratuitos. A pessoa pode fazer o encerramento do MEI, a declaração anual e obter informações contábeis sobre a empresa, como débitos em aberto e formas de quitação.

Networking

Yara Lúcia de Menezes Garcia e Cleber Lecheta Franchini da startup curitibana Okaut, que está no Worktiba Barigui, buscaram capacitação no Bom Negócio e estão usufruindo da rede de relacionamentos proporcionada pelo programa. | Crédito: Lucilia Guimarães/SMCS
Yara Lúcia de Menezes Garcia e Cleber Lecheta Franchini da startup curitibana Okaut, que está no Worktiba Barigui, buscaram capacitação no Bom Negócio e estão usufruindo da rede de relacionamentos proporcionada pelo programa. | Crédito: Lucilia Guimarães/SMCS

Yara Lúcia de Menezes Garcia, 34 anos, que é uma das sócias da startup curitibana Okaut, passou os dois últimos criando as ferramentas necessárias para operacionalizar a startup, ao lado dos sócios Cléber Lecheta Franchini e Donggley Martins. A startup oferece um aplicativo destinado a “organizar” a vida das micro e pequenas empresas. Ou seja, numa mesma plataforma, o empresário consegue fazer o controle financeiro, cadastro digital de clientes, vitrine virtual, controle de estoque e outras necessidades específicas do seu negócio. No entanto, faltava a conexão com o público-alvo.

Depois dos sócios passarem por programas como o Bom Negócio, para aprofundar os conhecimentos na parte de gestão, a Okaut ingressou no Worktiba Barigui, um dos três coworkings públicos gratuitos do município. “Além de ser um espaço público é uma rede de trabalho colaborativo. A gente se conecta a outros empreendedores que podem se tornar parceiros de negócios”, relata Yara.

Veja algumas ações previstas no programa de retomada estão:

– Criação do Fundo de Aval Garantidor: R$ 10 milhões destinados pela Prefeitura ao fundo que funciona como uma espécie de “avalista” para a empreendedores, principalmente micro e pequenos a obter empréstimos, e que tem o potencial de gerar R$ 100 milhões em empréstimos a juros mais baixos graças a parcerias com Garantisul e cooperativas de crédito. Desde o lançamento do Fundo de Aval, cerca de R$ 13 milhões já foram viabilizados em empréstimos para quem quer empreender em Curitiba, já que o Fundo de Aval funciona como uma espécie de avalista.

– Capacitação empreendedora: A Prefeitura injetou R$ 1 milhão em recursos para promover a capacitação para pequenos empreendedores pelo SebraeTec, a partir dos programas Bom Negócio e Empreendedora Curitibana. São cursos on-line e lives com especialistas em diversas áreas. Além disso, todos os meses acontecem apresentações de startups a investidores.

– Desburocratização na abertura de empresas: O empreendedor hoje encontra muito mais facilidade para abrir um negócio na cidade. Curitiba é a capital mais rápida para abertura de empresas no país. Além disso, houve a ampliação de 126% no número de atividades incluídas na lei de Liberdade Econômica, passando de 242 para 547 atualmente.

– Consultorias individuais: Mil empreendedores e donos de pequenos negócios de Curitiba começaram em outubro de 2021 consultorias individuais gratuitas para inovar, fazer melhor, mais rápido e com menor custo a gestão do negócio e a presença digital para crescer no pós-pandemia. A iniciativa é da Prefeitura de Curitiba e Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Paraná (Sebrae/PR). São 30 mil horas de consultorias, 1.690 horas de conteúdos, cinco jornadas, webséries e oportunidade de networking ofertados sem custos para fortalecer os pequenos negócios de Curitiba. Ainda há vagas e para receber as consultorias, o empreendedor pode agendar atendimento nos Espaços Empreendedor da Prefeitura nas Ruas da Cidadania (clique aqui), administrados pela Agência Curitiba de Desenvolvimento e Inovação, ou acessar o site do programa Recupere do Sebrae/PR.