Aos 37 anos, Carol Dartora (Ana Carolina Moura Melo Dartora), do Partido dos Trabalhadores, é a primeira mulher negra a se eleger vereadora pela cidade de Curitiba. Mesmo antes do final da apuração, ela soltou o grito e comemorou um feito histórico, a vitória dos vários grupos que representa. “Tô me sentindo muito feliz, imensamente grata por poder representar tantas pessoas, as mulheres, os negros, e encontrar tanta representatividade e eco dentro deste grupos”, disse à Tribuna.

>>> CONFIRA A APURAÇÃO DAS ELEIÇÕES 2020

Historiadora formada pela Universidade Federal do Paraná, ela é, além de professora, representante de grupos feministas e do movimento negro. Foi professora da rede pública e atuou na APP sindicato. A votação de Carol ultrapassou os 8 mil votos.

+ ELEIÇÕES 2020 Veja a lista dos vereadores eleitos de Curitiba

“A nossa proposta sempre foi um mandado coletivo, para que possam ter voz as pessoas que eu represento. Trazer debates que ficam relegados, que não têm a amplitude da voz quer precisavam”, explicou.

A conquista, segundo Carol, é uma vitória, ainda mais se considerado o perfil conservador de Curitiba. “É uma cidade conservadora, que nunca elegeu uma mulher negra. Temos um comportamento retrógado, provinciano, e o desejo de acabar com isso foi expresso nas urnas”, contou.

E, diferente do que dizem, a ascensão de Carol não é uma surpresa. “Importante dizer que minha militância não começou agora. O desconhecimento do meu trabalho mostra justamente o porque vencemos. Eu nasci em Curitiba, atuou há anos nos movimentos de mulheres e negros. A cidade me achar uma ‘surpresa’ é um sintoma das desigualdades que combatemos”.

+ Leia mais: Rafael Greca (DEM) é reeleito prefeito de Curitiba

O bom resultado, segundo Carol, também é uma quebra de preconceito sobre o desempenho do PT nas campanhas em Curitiba. “Eu acredito que sim. A resposta foi bem objetiva. Nos organizamos, fizemos uma campanha significativa, e isso foi tudo superado. A política de Bolsonaro a nível federal, trazendo esse discurso excludente, fez as pessoas pensarem melhor e a população deu essa resposta nas urnas”.