Oportunidade

Cursos da prefeitura de Curitiba ajudam trabalhadores a encontrar emprego

2 minutos de leitura
SMCS
Por SMCS
16/03/2022 17:06 - Atualizado: 16/03/2022 17:06
Cursos da prefeitura de Curitiba ajudam trabalhadores a encontrar emprego

Em Curitiba, a oferta de programas e serviços gratuitos pela Fundação de Ação Social (FAS) tem ajudado trabalhadores e empreendedores a garantir espaço no mercado de trabalho e, com isso, dado sustentação à retomada da atividade econômica no município.

São programas de formação de adolescentes para trabalhar na condição de aprendiz ou em empresas de tecnologia, oferta de cursos de qualificação profissional e desenvolvimento comportamental para jovens e adultos, até o encaminhamento de pessoas para vagas de emprego por meio das 11 unidades municipais do Sistema Nacional de Emprego (Sine).

+ Leia mais: Alep aprova e Paraná deve publicar decreto de flexibilização das máscaras em locais abertos

Na outra ponta, empresários encontram apoio para procurar profissionais por meio de um banco de vagas e na realização de processos seletivos dentro de espaços públicos, fazendo o encontro das empresas, que buscam trabalhadores, com as pessoas que buscam uma oportunidade de emprego.

Qualificação

A família de Ana Cláudia Lopes de Moraes, 32 anos, encontrou nos programas da FAS o apoio que precisava para garantir trabalho e o sustento da casa. Depois de fazer o Programa Formação para o Primeiro Emprego (PPE) e ser encaminhado pela FAS para a aprendizagem, o filho de Ana, Paulo Henrique, 15 anos, foi contratado como aprendiz em uma grande empresa de telefonia, em janeiro.

+ Veja esta: De graça! Passagem de ônibus deixa de ser cobrada em Paranaguá; saiba como funciona

“Ele está feliz porque já recebeu o primeiro salário. Está pagando as continhas que fez para a compra de roupa e de uma bicicleta”, conta a mãe, que mora no Tatuquara. Antes de começar o PPE, Paulo vendia balas em semáforos da região central de Curitiba.

Ana também aproveitou as oportunidades ofertadas pelo município para se qualificar. Em 2019, fez o curso de Confeitaria e Panificação ofertado pelo programa Liceu de Ofícios e Inovação, em parceria com o Serviços Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai). As aulas aconteciam em unidades móveis que percorriam as regionais da cidade levando a qualificação profissional mais perto das pessoas. Os cursos tiveram as atividades suspensas em função da pandemia da covid-19.

“Eu já cozinhava para minha família, mas hoje vivo de fazer bolos, kits de festa, hambúrgueres”, conta. No mesmo ritmo, o marido de Ana, Agnaldo Cubas Ferreira, 43 anos, também buscou se qualificar e fez há três anos o curso de Operador de Processo de Produção, ofertado pelo Liceu de Ofícios. Ele chegou a trabalhar na área, mas há um ano está desempregado à procura de uma nova oportunidade.

Oportunidade

De confeiteira, Liliane Garcia Harder, 50 anos, se tornou cuidadora. A mudança de vida veio em dezembro do ano passado, depois que conclui o curso Cuidador de Idoso, também ofertado gratuitamente pela FAS, que desde agosto de 2021 ofereceu 125 vagas em cinco turmas.

“Estou me sentindo realizada com meu trabalho, me encontrei no que estou fazendo por poder me doar, fazer o papel de olhos, mãos e pés de outra pessoa que não consegue enxergar, pegar ou andar”, diz Liliane, que foi contratada por uma conceituada clínica que oferece serviços de cuidadores e enfermeiros para pessoas idosas.

Ela trabalha atendendo uma senhora na casa da família. “É um trabalho gratificante como ser humano e muito bom na área financeira.”

Liliane elogiou a qualidade do curso, que tem a parceria do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac). “O curso me ensinou a ter empatia, aprendi sobre as doenças, medicações, como lidar com pessoas que possuem determinadas enfermidades”, contou.

Sine

Moradora do Uberaba, Thais Borges Lopes, 30 anos, foi contratada em janeiro como auxiliar administrativo. Ela conquistou uma vaga para pessoas com deficiência, em uma empresa no Centro da cidade, depois de se cadastrar no Sine Fácil, app onde os trabalhadores encontram informações sobre vagas de emprego e seguro-desemprego. 

LEIA TAMBÉM:

>> Vovô poliglota que viralizou oferecendo aulas grátis de inglês em Curitiba recebe a Tribuna

>> Enquete mostra opinião da população sobre “abandono” de máscaras. Veja o resultado!

“Eu era estoquista e estava desempregada. Acabei acessando o aplicativo para buscar uma vaga de emprego, fiz o passo a passo e fui contratada”, contou Thaís.

Ela diz que além do salário, recebe benefícios como vale-transporte e refeição. “Como fiquei um tempo sem emprego, estou ‘apertada’ ainda com dinheiro, mas sei que vai melhorar”, disse.

Programas

Além dos programas PPE, Liceu de Ofícios e Liceu de Ofícios e Inovação, a FAS oferece o Mobiliza, que trabalha o desenvolvimento de habilidades e atitudes, competências empreendedoras e comportamentais das pessoas, e o 1ºEmpregoTech, que prepara os jovens de 16 a 29 anos, para os empregos do futuro com a oferta de cursos gratuitos na área de Tecnologia da Informação.

E, ainda, o Programa Aprendiz, que promove a aprendizagem profissionalizante para adolescentes e jovens de 14 a 24 anos. O programa inclui o público PcD, mas neste caso não há limite de idade.

Informações sobre os programas da área do Trabalho desenvolvidos pela FAS podem ser obtidas nos 39 Centros de Referência de Assistência Social (Cras) existentes na cidade. Veja os endereços neste link.

A FAS tem também o Fab Lab Cajuru, laboratório de fabricação digital oferece oportunidades para estudantes, empresas e comunidade que podem compartilhar conhecimentos e colocar em prática ideias inovadoras.

Em função da pandemia da covid-19, o atendimento no Fab Lab acontece apenas por agendamento. Contatos podem ser feitos pelo telefone (41) 3221-2421 ou pelo e-mail fablab@curitiba.pr.gov.br. O laboratório fica na Av. Prefeito Maurício Fruet, 2150 – 1º piso da Rua da Cidadania Cajuru.

Geração de vagas

Os programas voltados para os trabalhadores curitibanos têm garantido um ritmo acelerado ao mercado de trabalho da capital.

Em janeiro, Curitiba foi a segunda capital que mais gerou vagas com carteira assinada no País. Ficou atrás apenas de São Paulo, de acordo com o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado no último dia 10, pelo Ministério do Trabalho e Previdência.

Curitiba criou 7.288 vagas no primeiro mês do ano. São Paulo gerou 17.430 vagas. Os números do emprego na capital paranaense já superam os dados registrados antes da pandemia. Em janeiro de 2020, antes da chegada da covid-19, o saldo havia sido de 6.748 vagas. Em janeiro de 2021, 5.097 vagas.

O saldo medido pelo Caged é a diferença entre admissões (42.049) e demissões (34.761). Com isso, o estoque de vagas no município fechou janeiro em 727.284 empregos.