Até ontem à tarde, Michael Schumacher cumpriu à risca o que planejou para o GP da Áustria. No popular barba, cabelo e bigode. Na Fórmula 1, pole, melhor volta e vitória. Tudo para apagar a imagem cinzenta deixada pela Ferrari no ano passado em Zeltweg. O alemão venceu graças à ordem que a equipe deu para seu companheiro Rubens Barrichello, que parou o carro na reta final e permitiu que ele o ultrapassasse a poucos metros da bandeirada.

Zeltweg

– O público vaiou o pódio em 2002. E neste ano Schumacher quer provar que não precisa da ajuda de ninguém para ganhar num circuito onde não costuma levar muita sorte. Na quinta-feira, disse que iria tentar ser o mais rápido em todos os treinos, para poder largar na frente e controlar a corrida. Foi o mais rápido na sexta e ontem fez a pole-position, sua quarta em seis etapas neste ano, 54.ª na carreira ? está a 11 do recorde de Ayrton Senna, o único que ainda não bateu na F-1.

A volta lançada de Schumacher foi muito bonita. Último a entrar na pista, pegou o asfalto muito sujo, graças às escapadas dos pilotos que vieram antes dele. Alguns, como Barrichello, Jenson Button, Jacques Villeneuve, David Coulthard e Mark Webber, sucumbiram à terra e aos pedriscos deixados em algumas curvas. Fizeram tempos ruins e foram despencando no grid.

Schumacher, no entanto, lidou com maestria com a sujeira. Na primeira curva, deu a impressão de que iria se perder, como os demais. “Eu deixei o carro escapar, perdi um pouco de tempo, mas recoloquei o carro na pista e fui em frente”, contou.

Ele passou na primeira parcial mais de 0s2 mais lento que Kimi Raikkonen, da McLaren, que tinha o melhor tempo até então. Descontou tudo acelerando o máximo que podia nos dois trechos finais do circuito. E fez a pole com 1min09s150, 0s039 à frente do finlandês, que lidera o campeonato.

Barrichello ficou apenas em quinto, atrás de Raikkonen, de Juan Pablo Montoya e da surpresa do dia, Nick Heidfeld, da Sauber. Saiu irritado do carro e não quis dar entrevistas logo depois do treino. Só viria a falar mais de uma hora depois. Os outros brasileiros tiveram emoções distintas. Antonio Pizzonia comemorou o oitavo lugar, sua melhor posição de grid até hoje, e Cristiano da Matta conformou-se com o 13.º. O GP da Áustria terá 71 voltas e largada às 9h de Brasília, com previsão de chuva.

Sperafico vence na Áustria

O brasileiro Ricardo Sperafico venceu a terceira etapa da F-3000 Internacional de ponta a ponta. Foi sua primeira vitória no ano, segunda na carreira (a primeira foi em Spa/2001). Bjorn Wirdheim chegou em segundo e Giorgio Pantano fechou o pódio. Wirdheim lidera o campeonato com 28 pontos, seguido por Sperafico e Pantano, com 16. Toccacelo é o quarto, com 14 pontos. Apenas 17 carros participaram da prova de ontem em Zeltweg.

O cascavelense, da equipe Coloni, usou a estratégia correta, sem dar chances de ataque dos adversários. Na quarta posição chegou o Vitantonio Liuzzi, seguido por Enrico Toccacelo.