São Paulo – A pesagem de ontem, no Hotel Meliá Mofarrej, serviu para esquentar o combate de hoje, às 22h, entre o brasileiro Acelino Popó Freitas e o argentino Fernando David Saucedo, no Ginásio do Ibirapuera. O combate será o primeiro de Popó – cuja última luta no Brasil foi em janeiro de 2001 – desde a derrota de agosto para o norte-americano Diego Corrales, que valeu o cinturão dos leves da Organização Mundial de Boxe.

Por um acordo no contrato dos lutadores, ficou acertado que, por não ser uma disputa por título mundial, o limite de peso seria 62,5 quilos, um a mais que a categoria dos leves. Popó pesou 62,2 quilos, enquanto Saucedo acusou 61,3 quilos. "Tínhamos um acordo de 62 quilos. Mas tudo bem. Lutar aqui no Brasil é sempre assim", disse uma pessoa do staff do argentino. "O problema é de Popó que passou cinco dias na sauna para perder peso. Vai entrar desgastado e talvez não agüente o ritmo."

"Não tenho problema nenhum", afirmou Popó. "Eu me sinto forte. Sempre luto como superpena, por isso peso não é problema para mim", afirmou Saucedo, que prometeu desestabilizar Popó no combate, com um gancho de esquerda no fígado.

Newton Campos, presidente da Federação Paulista de Boxe, ratificou que o peso limite para esta luta é de 62,5 quilos. "É catimba dos argentinos." O dirigente também negou qualquer problema com a balança, criticada pela equipe de Saucedo. "Eu peso menos que isso", disse o argentino.

Popó, de 29 anos, soma 35 vitórias, com 31 nocautes, e uma derrota. Saucedo acumula 16 vitórias, sem nocautes, três empates e duas derrotas. Nunca foi derrotado por nocaute. Caso vença, Popó vai lutar pelo título mundial em abril, nos EUA, provavelmente contra o norte-americano Julio Diaz, pelo cinturão da Federação Internacional de Boxe.

Além de Popó x Saucedo, a noitada terá mais sete lutas. Destaque para o duelo entre o brasileiro Valdemir Pereira, o Sertão, contra o argentino Pastor Humberto Maurin, pelo título latino-americano dos penas. Entre os cruzadores, se enfrentam Laudelino Barros e Marco Duarte, ambos brasileiros.

O Ginásio do Ibirapuera, construído em 1958, foi palco de grandes lutas. A primeira delas aconteceu no mesmo ano quando Paulo de Jesus nocauteou violentamente Milton Rosa no nono assalto e ficou com o título brasileiro dos médios. Em 1962, o maior dos combates. Eder Jofre, o maior galo da história do boxe unificou o título ao derrubar o campeão europeu, o irlandês Johnny Caldwell, no décimo assalto.

Em 1971, Servílio de Oliveira bateu Tony Moreno, mas descolou a retina e teve a carreira prejudicada. Em 1987, Maguila venceu, por pontos, o ex-campeão dos pesados James "Quebra Ossos" Smith.