Adriano pode ficar fora do
Atletiba, por causa da “agulha”.

O meia Adriano passa a ser a principal incógnita e motivo de controvérsia no Atlético para a primeira partida da final do campeonato paranaense.

O técnico Mário Sérgio diz que é muito difícil o jogador estar presente na partida de sábado, contra o Coritiba, no Couto Pereira. O treinador chegou a declarar que Gabiru seria submetido a uma infiltração. Já o chefe do departamento médico, Edílson Thiele, desmentiu esse tipo de tratamento e acredita que o meia possa treinar ainda hoje.

“O Adriano é um jogador que eu quis que ele voltasse nessa parte final do campeonato, principalmente para enfrentar o Coritiba, que eu sabia que nós teríamos eles na final. Mas, o Adriano infelizmente está com problemas”, analisa Mário Sérgio. O problema do meia está no pé direito, causado por uma pisada na partida contra o União Bandeirante, e o treinador praticamente descarta o meia no Atletiba.

“O Adriano não treina há duas semanas e eu acho que o Adriano vai ser muito difícil jogar”, aponta. O treinador atleticano chegou a revelar que Gabiru seria submetido a uma infiltração. “Neste caso, é o mais recomendado”, destaca. A declaração do treinador foi desmentida pelo chefe do departamento médico do clube. De acordo com Edílson Thiele, o treinador está confundindo uma aplicação que usa seringa com infiltração. “O que vamos fazer é aplicar um anestésico local de longa duração”, informa.

Mais otimista que Mário Sérgio, Thiele acredita que a dor que Adriano está sentindo possa passar e ele já treinar com bola hoje. “Vou tentar colocar o jogador em condições de jogo até amanhã (hoje)”, revela o médico.

Além de Gabiru, devem estar aptos a enfrentar o Coritiba, o volante Ramalho e o zagueiro Rogério Correia. O primeiro já está treinando fisicamente há duas semanas e não sente mais o joelho esquerdo, enquanto o zagueiro ainda deve passar por um teste hoje para saber se está totalmente recuperado de uma lesão na coxa direita. “O Rogério ficou parado apenas três dias, não teve uma parada muito longa, é um jogador que se recupera com facilidade e é importante, principalmente, quando nós vamos ter jogadores de velocidade”, finaliza o treinador.

Dois titulares contra as drogas

O goleiro Diego e o meia Fernandinho, do Atlético, prestigiaram, ontem, o lançamento do programa Cara Limpa, desenvolvido pela Prefeitura de Curitiba. O projeto pretende realizar ações para atender principalmente o menor carente, que convive perto dos entorpecentes e está suscetível a entrar num mundo sem volta. A idéia é usar o sucesso que a dupla alcançou no futebol como exemplo para a juventude se espelhar.

“Quando jovem em Porto Alegre, eu vi um garoto cheirando cola na praça e perguntei o porquê do ato. O jovem me respondeu que cheirava cola para esquecer a fome. Na luta contra as drogas ninguém tem um time definido. Todos devem vestir a mesma camisa e lutar contra o mesmo problema”, discursou Diego, que arrancou aplausos da platéia.

O programa Cara Limpa pretende implantar ações para o atendimento à criança e adolescentes usuários de substâncias psicoativas e suas respectivas famílias. Além do tratamento, internação, desintoxicação, encaminhamento para terapia, manutenção e reforço dos vínculos familiares, o programa busca a autonomia e promoção social das famílias. A intenção da Prefeitura é atender 300 crianças e adolescentes entre 8 e 18 anos, de ambos os sexos, encaminhados pelo Poder Judiciário, conselhos tutelares, vara da infância e juventude e programas sociais da cidade.