Valdivia está mais perto do Palmeiras. De volta ao Brasil, após conversar com o jogador em Santiago, o advogado do clube, André Sica, informou que o atleta aceitou a proposta salarial e os termos do seu futuro contrato com o Palmeiras. Agora, as duas partes precisam convencer o Al Ain, dos Emirados Árabes Unidos, a liberar Valdivia.

“Nós fomos conversar com o Valdivia, mostrar alguns valores, e sentir como está a motivação dele de voltar ao Palmeiras. A negociação vai muito bem, mas ainda falta muito chão para fecharmos qualquer coisa. O próximo passo é termos um encontro direto com os diretores do Al Ain”, contou Sica.

A diretoria de futebol e o presidente Belluzzo tentam agora agendar uma reunião com os representantes do time árabe para bater o martelo. O Palmeiras já chegou a um acordo inicial com o Al Ain. Pagaria R$ 4,4 milhões para ter 50% dos direitos federativos de Valdivia.

Como o “Mago” tem contrato até 2012 com os árabes, não era interesse deles uma negociação que não envolvesse uma compensação financeira. “A gente sabe que na hora de fecharmos com o Al Ain eles vão fazer de tudo para conseguir mais pelo Valdivia. É do negócio. Mas a gente sabe que a vontade dele deve prevalecer”.

O advogado foi à capital chilena na última terça com Luiz Gonzaga Belluzzo para conversar com o jogador e seu pai, que é procurador do meia. O presidente voltou antes a São Paulo para a apresentação de Felipão e deixou seu representante em Santiago para dar continuidade à negociação.

O advogado está confiante em um encerramento satisfatório da negociação, mas, assim como Belluzzo, prefere não dar a volta do “Mago” como uma certeza. “Foi muito proveitosa a conversa, mas o Al Ain ainda quer ter o Valdivia no time. Ele tem sido muito correto com o Al Ain e com o Palmeiras”.