Trinta e oito dias após conquistar a Copa Sul-Americana, o São Paulo volta a campo em pleno momento de reconstrução. Embora a equipe que estará no estádio do Morumbi para enfrentar o Mirassol, neste sábado, às 17 horas, na estreia no Campeonato Paulista seja bastante parecida com aquela que derrotou o Tigre em partida de 45 minutos, a ausência de uma peça mudou toda a engrenagem: Lucas, agora astro do Paris Saint-Germain, ainda deixa saudades.

Por isso, mais importante do que estrear com a vitória , o principal desafio do clube tricolor é mostrar que já possui um esboço do que fazer sem o garoto que foi para a França. “O Lucas é um grande jogador e teve um fim de ano muito bom, mas a vida segue. Temos um grupo qualificado e capaz de suprir a ausência dele. No ano passado ele foi pra seleção muitas vezes e vencemos os jogos. Não podemos ficar remoendo isso”, disse o centroavante Luis Fabiano.

Encontrar rapidamente uma forma de jogar é necessário especialmente pelo fato de a equipe já ter o primeiro “jogo do ano” na próxima quarta-feira contra o Bolívar, pela rodada de ida da primeira fase da Copa Libertadores. O elenco sabe que muito da temporada será desdobramento do que acontecer na competição continental. “O planejamento é todo para o jogo da Libertadores, não adianta negar isso”, explicou o técnico Ney Franco.

Depois de testar uma formação com o meio de campo em formato de losango – Wellington recuado, Denilson e Jadson abertos e Paulo Henrique Ganso centralizado -, o treinador voltou atrás e mandará a equipe no 4-2-3-1 que a levou ao título da Copa Sul-Americana. Jadson ficará responsável por ocupar a faixa direita do ataque e atuará mais adiantado. “Nossa primeira semana foi com treinos com a mesma formação do ano passado e nos jogos-treino testei outra formação e não gostei. Não será uma mudança drástica em relação ao que vínhamos fazendo”, analisou Ney Franco.

A partida marca a estreia de Lúcio. O zagueiro entra na vaga de Rafael Toloi, que por ora fica no banco de reservas. Paulo Henrique Ganso é a outra aposta do treinador para a temporada e a expectativa é de que, após passar os últimos meses tratando uma lesão muscular na coxa esquerda, ele finalmente deslanche. “Não estamos prontos, temos muito a trabalhar na formação. Esse processo não é fácil e você acerta as coisas no decorrer dos jogos”, afirmou o treinador.