A falta de experiência do atual time do Atlético foi, para o técnico Miguel Ángel Portugal, um dos motivos que fizeram o Furacão perder por 2×0 para o Vélez Sarsfield, ontem à noite, em Buenos Aires. Mesmo assim, o comandante do Furacão, que agora soma duas vitórias e duas derrotas à frente do time, ressaltou a evolução da equipe em relação aos outros jogos e enalteceu a força do time argentino atuando dentro dos seus domínios.

“Tivemos uma evolução. No primeiro tempo o jogo esteve um pouco equilibrado. O Vélez tem jogadores de muita movimentação e de muita qualidade. Os três pontos eram muito importantes, mas sabíamos que era muito difícil conquistar, pois o Vélez tem uma grande equipe e que com certeza estará classificado. O trabalho está sendo bom. Temos que valorizar os jogadores que temos e temos muitos jogadores jovens. Falta um pouco de calma às vezes. Mas os jogadores, com tempo e com partidas, trarão os resultados esperados”, comentou Portugal.

Falta ritmo

O comandante do Furacão frisou que alguns jogadores ainda sentem a falta de ritmo de jogo e espera o crescimento do time atleticano na sequência da competição continental. “Estamos competindo somente a Libertadores e o Estadual é o time Sub-23. Por isso, os jogadores têm certa falta de ritmo de jogo e de intensidade. Mas pouco a pouco, com jogadores muito jovens, vamos conseguir crescer”, emendou o treinador.

Polêmica com o Imperador

Além de causar a queda do Atlético na classificação do Grupo1 da Libertadores da América, a derrota por 2×0 para o Vélez Sarsfield trouxe também a primeira polêmica com o atacante Adriano dentro das quatro linhas. O Imperador, que substituiu o atacante Éderson aos 37 minutos do 2.º tempo quando o time argentino já vencia por 2×0, não escondeu a sua insatisfação por ter jogado pouco mais de 10 minutos na sua segunda partida pelo Furacão. “Penso que com o Adriano temos que ter calma e tranquilidade para que ele possa fazer boas coisas para o time. Contra o Vélez ele já jogou mais minutos. Ele tem muita alegria e vontade para fazer as coisas e vamos conversando”, explicou o técnico Miguel Ángel Portugal.

O zagueiro Manoel frisou que ele e o restante do grupo desejam que o atacante Adriano jogue mais tempo, mas respeita a decisão do treinador atleticano. “É difícil falar. A gente procura fazer o melhor em campo. Queríamos que ele entrasse mais, mas temos que respeitar. O Adriano está com vontade de jogar, mas infelizmente é o professor (Miguel Ángel Portugal) que manda”, ressaltou o camisa 3 atleticano.