Munique – Após muitas especulações, o jornal de Munique TZ revelou, ontem, o nome do jogador da seleção alemã envolvido com o escândalo de manipulação de jogos para apostas pela internet na Ásia. Segundo o diário, a Promotoria de Munique investiga Bastian Schweinsteiger, meia ofensivo do Bayern de Munique e uma das esperanças da Alemanha para a Copa do Mundo deste ano, por ter mantido contato com os homens da máfia de apostas. Ele pode ter participado ativamente do arranjo de jogos para o esquema. Além de Schweinsteiger, outros dois jogadores do Munique 1860, Paul Agostino e Quido Lanzaat, estariam conectados com os apostadores.

Ainda de acordo com o TZ, os três jogadores já foram ouvidos pelos promotores. Os três teriam feito grandes apostas em jogos possivelmente manipulados pela máfia de apostas. Um dos chefões do esquema teria acusado abertamente todos eles para a Promotoria de Munique.

A revelação abalou de vez o futebol na Alemanha, que já estava combalido pela humilhante goleada sofrida para a Itália no início do mês, por 4 a 1, em Florença, pelas críticas de dirigentes, políticos e até de Franz Beckenbauer, o maior expoente do futebol alemão, contra Klinsmann, e pela má campanha dos times alemães no cenário europeu, na Liga dos Campeões e na Copa da Uefa.

O meia do Bayern, conhecido na Alemanha como ?Schweini? (Porquinho) não foi encontrado e seu agente também não quis manter nenhum contato. O jogador está na seleção desde 2003 e tem sido apontado pelos especialistas como um forte ponto de referência para a jovem geração. Por toda a Alemanha, outdoors e placas de publicidade espalham sua foto ao lado de Lucas Podolski, também outra revelação alemã, que não tem nada a ver com o escândalo.