Foto: Valquir Aureliano

Contra o Flamengo, Alex Mineiro deve começar jogando pela primeira vez depois da cirurgia na face.

Desde a vitória contra o Grêmio (31/10), na Arena, Ney Franco não consegue escalar o time que considera titular. Nos jogos seguintes -Corinthians e Sport -, o sistema defensivo foi alterado, assim como a lateral direita, por problemas de contusão e suspensão. Para a partida diante do Flamengo, domingo, no Maracanã, finalmente todos os principais jogadores do elenco estarão à disposição do treinador.

Com o retorno de Antônio Carlos e Danilo, aliado à presença de Rhodolfo, reaparece em campo a formação considerada ideal para a zaga. Recuperado da contusão muscular, Jancarlos também está confirmado na lateral e dá ao Furacão a opção de jogadas pela direita. Mas a grande novidade do time está no ataque.

Alex Mineiro pode começar uma partida pela primeira vez após a operação de reconstrução da face, que o deixou afastado do futebol por cerca de 90 dias. Ele barraria Marcelo Ramos, que não passa por uma grande fase no Atlético, apesar de ter a confiança do treinador, que o considera um jogador muito participativo.

Treinamento

Ontem, Franco comandou o primeiro treino tático da semana, no CT do Caju, e Alex Mineiro teve a preferência no ataque. Com a ausência de Ferreira, que serve a seleção da Colômbia, Marcelo Ramos compôs a dupla ofensiva. Porém o baixinho deve reassumir sua vaga no time titular se voltar das Eliminatórias da Copa 2010 em condições de atuar. ?Prefiro esperar o retorno do Ferreira para saber como ele se reapresenta. Quero fazer mais trabalhos táticos. Se o jogo fosse hoje, Alex Mineiro entraria jogando?, afirmou Ney Franco.

O time não foi definido ainda devido às boas opções que o Atlético tem para o ataque. Com Marcelo, Alex Mineiro e Ferreira à disposição, o treinador pensa na possibilidade de armar sua equipe no 4-4-2. ?A idéia inicial é usar o Ferreira como ele vem jogando (no ataque). Se optarmos por jogar com dois volantes e dois meias (4-4-2), Netinho e Ferreira comporiam o setor, cada um de um lado. Mas vamos definir a escalação somente no dia do jogo?, explicou.

Sobre a possibilidade de transferência de Alex Mineiro para outro clube do futebol brasileiro, o técnico disse que gostaria muito de contar com o atacante, mas que essa questão está sendo tratada pela diretoria. ?Estou na expectativa de que ele fique. É um jogador muito talentoso e que qualifica nosso grupo.?

Ida pra Roma, por enquanto, é só especulação

A negociação do lateral-esquerdo Michel com o futebol italiano ainda não passa de mera especulação. Segundo o jogador, até o momento, nenhuma proposta ou contato da Roma foi feito e ele continua como funcionário do Atlético. ?Vi no site e nos jornais (a notícia). Mas, por enquanto, não chegou nada?, resumiu.

Entretanto, o atleta não descarta a possibilidade de retornar à Europa, onde atuou por duas temporadas (2004-06). Michel acredita que por possuir o passaporte comunitário e ter jogado na Bélgica leva alguma vantagem sobre outros atletas brasileiros que são pretendidos pelo futebol do velho continente. ?Os clubes europeus buscam muito jogadores comunitários. Acho que a posse do passaporte facilita bastante?, explicou. Michel tem contrato com o Atlético até junho de 2009.

Furacão promove curso científico e dá início à futura Universidade do Futebol

Cahuê Miranda

Foto: Arquivo

Diretor-técnico Antônio Carlos Gomes é um dos idealizadores.

O Atlético deu, no último fim de semana, o primeiro passo de um ambicioso projeto. O curso de Ciência e Tecnologia Organizacional no Futebol, elaborado em parceria com o Centro Universitário Positivo (UnicenP), foi o embrião da futura Universidade do Futebol, sonho da diretoria rubro-negra.

Aproximar o futebol do meio científico e acadêmico é um dos objetivos da parceria entre Atlético e UnicenP. ?O futebol é uma das últimas modalidades esportivas a entrar nessa área. Ainda existe uma resistência oculta à ciência no meio futebolístico?, diz o diretor-técnico do Furacão, Antônio Carlos Gomes.

Só essa resistência pode explicar como, no País com tanta tradição no esporte, um curso acadêmico sobre futebol ainda seja considerado uma novidade. ?Esse já foi um grande passo para iniciar aqui no Sul do Brasil. No eixo Rio-São Paulo temos alguns cursos, mas ainda são poucos. Precisamos de mais eventos assim?, afirma Gomes, que é Ph.D. em Ciência do Treinamento Desportivo.

No total, foram mais de 20 horas de curso. Na última sexta-feira à noite e no sábado pela manhã, as aulas aconteceram no campus do UnicenP. Na tarde de sábado e na manhã de domingo, o palco foi o CT do Caju. Na pauta, diversos temas ligados ao futebol, como preparação física, elementos táticos, medicina, mídia e administração.

Diferencial

Entre os conferencistas estava o técnico do Atlético, Ney Franco, que falou sobre elementos técnicos e táticos do futebol. ?Muitas pessoas que desenvolveram a parte estrutural do Atlético têm uma forte ligação acadêmica. Esse é um diferencial, pois poucos clubes têm essa relação direta. É algo que faz muita falta e está só começando?, destaca o treinador.

No que depender dos projetos rubro-negros, foi mesmo apenas o início. ?Esse projeto não vai parar por aqui. Teremos novos eventos como esse e a idéia é chegar até um curso de graduação. Futuramente, isso vai desembocar na Universidade do Futebol, que irá formar profissionais nas mais diversas áreas ligadas ao esporte?, planeja Antônio Carlos Gomes.