Caso se confirme a ameaça de WO na final do Campeonato Paranaense, será a primeira vez na história do futebol estadual que um campeão dará a volta olímpica sem precisar enfrentar o adversário. No caso, tetracampeão. Também irá contrariar a tradição do Atlético, de nunca desistir diante da adversidade. É como diz o hino: “À tradição vigor sem jaça, nos legou o sangue forte, Rubro-Negro é quem tem raça, e não teme a própria morte.”

Mesmo em situações piores, diante de problemas realmente graves – e não apenas em função de caprichos -, o Furacão foi a campo. Quem não lembra do “Atletiba da gripe”. Ocorreu em 1933. Seis jogadores do Atlético ficaram fortemente gripados e a diretoria do Atlético tentou um acordo com a do Coritiba para que a partida fosse adiada. O Coxa, antevendo a vitória fácil, disse não e o Rubro-Negro chegou a cogitar desistir do jogo, o que caracterizaria WO.

Foi aí que os jogadores, superando a febre e o mal-estar, saíram da cama e pediram para jogar. Resultado: ganharam por 2 x 1, com gols de Mimi e Marreco. Daí nasceu a histórica fama atleticana de “time da raça”, que agora tentam subverter com uma ameaça de WO.