Apesar da aposentadoria da estrela Alicia Sacramone, no fim do ano passado, os Estados Unidos continuam soberanos na ginástica artística feminina. Nesta sexta, a final do individual geral do Mundial da Antuérpia (Bélgica) foi dominada pelas norte-americanas. Ouro para Simone Biles e prata para Kyla Ross. O bronze ficou com a russa Aliya Mustafina.

Biles tem apenas 16 anos e está no seu primeiro ano como ginasta adulta. Logo na estreia em Mundiais, conquistou desempenho impressionante somando 60.216 pontos na final do individual geral.

Assim, teve ampla folga sobre a segunda colocada, a também adolescente Kyla Ross, outra de 16 anos, mas que já está no segundo ano como adulta. No ano passado, Kyla fez parte do time norte-americano que conquistou o ouro por equipes nos Jogos Olímpicos de Londres.

Bronze na Olimpíada no individual geral, a russa Aliya Mustafina repetiu a medalha na Antuérpia, somando 58.856. Ficou longe da disputa pela prata, mas também não foi incomodada pela quarta colocada, a romena Larisa Iordache, que somou 57.766.

O Brasil não participou da final do individual geral – aliás, pela primeira vez desde 1997, não fará nenhuma final feminina no Mundial. Única atleta que competiu nos quatro aparelhos na fase de classificação, Letícia Costa ficou em 28º, com 52.665 pontos, e precisava que quatro atletas desistissem de disputar a final para que fosse promovida da reserva.

No masculino, quinta, o Brasil conquistou o quinto lugar com Sérgio Sasaki. O País ainda está classificado para fazer quatro finais de aparelhos na Antuérpia. No salto, vão brigar domingo pela medalha Sasaki e Diego Hypolito, que avançaram respectivamente com a terceira e a quinta melhores notas.

Antes, neste sábado, Diego compete na decisão do solo como favorito a uma medalha, uma vez que foi o segundo na classificação. A grande chance de um ouro, porém, é com Arthur Zanetti. Apesar de ter sido o segundo das eliminatórias das argolas, o brasileiro compete sábado como grande favorito ao título.