Ponta Grossa aguardava com ansiedade a realização de mais um jogo internacional do Operário, mas a festa virou tormenta para a diretoria do clube. O amistoso contra o Cerro Porteño do Paraguai será realizado fora de casa, no CT do Caju, e os torcedores já promovem os primeiros sintomas de crise na Vila Oficinas.

Com o Estádio Germano Kruger interditado pela Federação Paranaense de Futebol, diretores dos dois clubes preferiram jogar amanhã em Curitiba. “Como houve o atraso no prazo de entrega do laudo de engenharia, pra não jogar de portões fechados em Ponta Grossa, iremos ao centro de treinamentos do Atlético”, explica o gestor do Fantasma, Dorli Michels.

A organizada Trem Fantasma promete uma manifestação amanhã, no mesmo horário do jogo, no Germano Kruger. “Duvido que alguém do grupo gestor esteja no estádio para nos ouvir. Mas eles ao menos saberão da nossa insatisfação”, afirma o vice-presidente da entidade, Thiago Moro.

“É triste, pois seria uma boa oportunidade para aqueles que nunca viram o Operário contra um time estrangeiro’, diz o o radialista e pesquisador da história do Fantasma Diomar Guimarães, lembrando a vitória do time sobre a seleção de novos da Argentina, por 2 x 1, em 1988”.