Faltando três rodadas para o fim do Brasileirão, o presidente Andrés Sanchez minimizou a situação favorável do Corinthians na tabela, nesta sexta-feira, e pediu calma à torcida. “Nós não ganhamos nada, simplesmente estamos na Libertadores. No ano passado estávamos na mesma situação e perdemos os jogos. Nada de euforia, sem festa, sem nada”, alertou.

Sanchez lembrou a “bobeira” do ano passado para justificar sua cautela. O Corinthians também liderava o campeonato em 2010 a três rodadas do fim, mas acabou tropeçando diante do Vitória e viu o Fluminense chegar ao título. “Demos bobeira, agora não quero perder”, afirmou o presidente, que garantiu maior presença junto ao time nesta reta final. “Vou estar mais presente, mas me meter, não”.

Preocupado com a pressão da torcida, o dirigente condenou à agressão de torcedores ao árbitro Jean Pierre Gonçalves Lima e seus auxiliares Altemir Hausmann e Julio Cesar Rodrigues Santos, há duas semanas, após a derrota para o América-MG. “Que prendam os torcedores. O Corinthians não tem nada a ver com isso. O torcedor tem de cantar, gritar, incentivar”.

Em relação ao futuro do time, Sanchez garantiu que não negociará os volantes Ralf e Paulinho até o dia 15 de dezembro, quando deixará a presidência do clube. “Até dia 15 vou tentar não vender ninguém”.