Um dia depois de ser demitido do comando do Palmeiras, o técnico Antônio Carlos ainda deixa claro que ainda não aceitou bem a sua saída do clube. O treinador afirmou, em entrevista à TV Bandeirantes, não saber o motivo da sua demissão, criticou a diretoria e minimizou o problema disciplinar de Robert, que foi o estopim da sua saída.

“Não sei porque fui mandado embora. Repreendi os jogadores por indisciplina, pedi para multarem os atletas. Encontrei com o presidente em uma festa e ele não me disse nada. Depois, fui chamado para uma reunião. Conversei com o Cipullo e ele disse que houve um consenso pela demissão. E sobrou para o Robert. Ele não tinha que pagar por tudo o que aconteceu”, afirmou

Na opinião de Antônio Carlos, o problema disciplinar de Robert, que foi liberado para sair na noite de domingo no Rio e chegou atrasado, assim como outros atletas, não deveria ter sido revelado e se disse indignado com a proporção que tomou sua discussão com o atacante. “Foi uma atitude mentirosa e covarde porque era uma coisa interna. Cobrei uma multa para os jogadores”, disse.

Para criticar o trabalho da diretoria do Palmeiras, Antônio Carlos lembrou que o time já foi dirigido por Vanderlei Luxemburgo, Jorginho, de modo interino, e Muricy Ramalho nos últimos meses. “Este é o quarto treinador demitido do Palmeiras em pouquíssimo tempo”, comentou.