Ainda sem vencer no Campeonato Brasileiro, a Portuguesa terá que suportar a pressão externa, da torcida, e a interna, dos próprios dirigentes, para tentar a vitória sobre o Corinthians, neste sábado, às 18h30, no estádio do Pacaembu, em São Paulo, pela quinta rodada do Campeonato Brasileiro. Os bastidores do clube pegaram fogo após o empate contra o Internacional, na última quarta-feira, no Canindé.

Logo após a partida, o técnico Edson Pimenta xingou parte da torcida e entrou em rota de colisão com dirigentes. Na última quinta, uma reunião foi feita para garantir a permanência do treinador. O diretor de futebol, André Heleno, um dos principais defensores da saída do técnico, pediu demissão do cargo.

Quem também esteve perto de deixar o clube foi o vice-presidente de futebol, Roberto dos Santos, outro dirigente contrário à permanência de Pimenta. Ele também se desentendeu com o técnico, mas foi convencido por Candinho, diretor executivo, e Manuel da Lupa, presidente, a permanecer.

Mesmo diante dos inúmeros problemas extra-campo, Pimenta garantiu que não existe clima ruim para o duelo contra o Corinthians. “Não existe clima ruim. A Portuguesa é um clube grande e busca a vitória sempre. Por isto, quando o resultado não vem, a cobrança é grande. Estamos em evolução e não temos tempo de lamentar, pois teremos um grande adversário pela frente neste sábado”, afirmou.

Dentro das quatro linhas, o desfalque será o volante Ferdinando. Ele foi expulso contra o Internacional e está fora. Pimenta resolveu adotar o mistério e não divulgou quem entrará em campo. “Estamos com duas ou três opções para o setor. Vou assistir alguns jogos do Corinthians na concentração e decidir, junto com a comissão técnica, quem vai entrar”, encerrou. Moisés é o mais cotado.

Ainda sem vencer no Brasileirão, o time está na zona de rebaixamento, com dois pontos, em 17.º lugar. No entanto, tem um jogo a menos que os demais, pois o duelo diante do Fluminense, pela segunda rodada, foi adiado para a próxima quarta.