A arbitragem da vitória do Coritiba sobre o Londrina, no domingo, ainda rende assunto. Na súmula da partida, o árbitro Felipe Gomes da Silva relatou que foi agredido pelo zagueiro Gilvan, o que resultou na expulsão do defensor do Tubarão. “No momento das reclamações, havia atletas do Londrina postados ao meu redor, quando o atleta expulso, aproveitando-se da situação, aproximou-se lateralmente e desferiu um soco que atingiu minhas costas”, relatou o juiz.

Além disso, ele também afirmou que após o término da partida, o gestor de futebol do LEC, Sérgio Malucelli “desferiu um soco na cabeça do assistente nº01, Sr. Moisés Aparecido de Souza, fato este presenciado por este árbitro e também pelo assistente nº02, Sr. Adair Carlos Modini”.

Outro ponto que pode gerar problemas para o Londrina foi o fato de que há na súmula a ocorrência de que dois rádios e um relógio foram lançados no gramado. O que faz o clube temer perda de mandos de campo. “Tememos. Não vimos os objetos, ele (o árbitro) não nos apresentou após o jogo. No tumulto, é complicado saber se jogaram ou não estes objetos”, disse João Severo, diretor de futebol do Tubarão, que afirmou que, até amanhã, o clube irá entrar com uma representação contra o árbitro na Federação Paranaense de Futebol (FPF) mas que vão esperar o procurador do TJD-PR (Tribunal de Justiça Desportiva do Paraná), se pronunciar para que possam se defender. “Temos que aguardar tudo. Vamos ver o que o procurador vai relatar para tomarmos as atitudes cabíveis. Até quarta-feira (amanhã) vamos entrar com uma representação para que possamos nos defender”, afirmou Severo.

Entretanto, o presidente do Londrina, Cláudio Canuto, declarou ao site oficial do clube que vai entrar com uma ação por perdas e danos morais contra o árbitro, além de uma denúncia junto ao Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD). “É o que temos em mente, e que pode ser feito. Ele foi o único responsável por todos os prejuízos, dentro ou fora do estádio do Café. Vamos esperar definições de instância superiores, mas impune ele não pode ficar”, declarou.

Via assessoria de imprensa, o presidente da FPF, Hélio Cury, afirmou que entre amanhã e quinta-feira haverá uma reunião com a comissão de arbitragem e que as imagens da partida serão analisadas. Nesta reunião, será decidido se Felipe Gomes da Silva será punido ou não.