O árbitro Howard Webb, que apitou a final da Copa do Mundo, no último domingo, defendeu-se nesta terça-feira das críticas que sofreu tanto por parte dos espanhóis, que conquistaram o título, como dos holandeses.

Webb foi acusado pelos espanhóis de ter sido complacente com o jogo violento dos holandeses. O volante De Jong e o meia Sneijder fizeram faltas que, na opinião dos vencedores, mereciam expulsão imediata. O árbitro inglês só aplicou cartão vermelho ao zagueiro Heitinga no segundo tempo da prorrogação.

Os holandeses, por sua parte, reclamam de uma marcação errada de tiro de meta em cobrança de falta de Sneijder que desviou na barreira e no goleiro Casillas. Na sequência do lance, Iniesta marcou o gol que deu o título à Espanha.

O fato é que até o presidente da Fifa, Joseph Blatter, mostrou-se desgostoso com a atuação da arbitragem no jogo final.

“Não sentimos que tínhamos muita opção a não ser levar a partida da maneira com que fiz. Nos sentimos satisfeitos de ter feito um trabalho complicado, sob circunstâncias difíceis, com a melhor de nossas habilidades”, disse Webb, na chegada à Inglaterra.

“(Apitar a final) Foi um desafio, mas teria sido para qualquer árbitro. É um dos jogos mais complicados para se atuar e sentimos que trabalhamos duro para nos manter concentrados no futebol o máximo possível”, completou.

Webb era apontado até o último domingo como melhor árbitro do mundo, condição que lhe rendeu a escala para apitar também a final da última Liga dos Campeões entre Inter de Milão e Bayern de Munique, em maio, em Madri.