Os protestos que tomam conta das capitais brasileiras não são, por hora, motivo de preocupação do governo do Paraná, no que se refere a uma possível manifestação por causa do investimento de dinheiro público na Arena da Baixada – estádio que receberá quatro jogos da Copa do Mundo em 2014. Quem garante é o secretário estadual para assuntos da Copa do Mundo, Mário Celso Cunha, que não vê motivos para movimentos contra a realização do Mundial em Curitiba.

Divulgação/AEN
Mário Celso Cunha: “Não há o que temer.”

Segundo ele, a razão é uma só: a verba utilizada para a reforma do estádio atleticano é diferente da maioria das arenas que vão receber as partidas da Copa. “Temos que analisar dois pontos. O primeiro é que o governo do Estado não repassou nenhum centavo para as obras da Arena, mas somente para a Prefeitura de Curitiba realizar as obras na cidade. O que houve foi a lei, que foi aprovada pelos vereadores na Câmara Municipal de Curitiba, que aumentou o potencial construtivo repassado pelo município ao Atlético. Não há dinheiro do governo nessa história”, explicou Cunha.

O secretário estadual para assuntos da Copa do Mundo ressaltou ainda que as manifestações contra a realização do Mundial no Brasil acontecem pela quantia exorbitante gasta nos estádios públicos, como, por exemplo, o Maracanã, no Rio de Janeiro. Por isso, Cunha acredita que a Arena da Baixada não entra nesse contexto de protestos por ser um estádio privado e que realizou o financiamento (R$ 131,1 milhões) para viabilizar a reforma pelo próprio clube. “Não há o que temer. O foco das manifestações são os estádios públicos, que levantaram megaverbas e custaram bilhões. No nosso caso, a reforma da Arena da Baixada foi a mais barata do Brasil e foi financiada pelo próprio clube, através da Fomento Paraná, e que deu de garantias, inclusive, o seu centro de treinamentos. Acredito que essas manifestações iriam acontecer independente(mente) da realização da Copa das Confederações, neste mês. O povo não aguenta mais algumas situações, e isso estourou por coincidência agora”, concluiu.

Mário Celso Cunha afirmou que no início de julho a terceira parcela do financiamento realizado junto ao BNDES deverá chegar aos cofres do Atlético. Segundo a secretaria de Estado para assuntos da Copa do Mundo, a previsão é de que as obras da parte nova da Arena da Baixada, que no início do mês apresentavam 47,3% de execução, chegue a 55,1% ao final de junho. A estimativa mostra que o avanço chegue a 62,9% em julho, 76,6% em agosto, 80,8% em setembro, 90% em outubro, 96,7% em novembro e atinja a totalidade em dezembro.