Para salvar a Copa do Mundo 2014 em Curitiba, nem mesmo um estádio da vizinha São José dos Pinhais está descartado. Trata-se do Xingu, o único plano B entregue ao Estado, de acordo com o governador do Paraná, Orlando Pessuti, em entrevista na tarde de ontem, na África do Sul.

A intenção da cidade integrante da Região Metropolitana de Curitiba é buscar recursos para construir uma moderna arena. Como fato favorável está a ausência de desgastes por preferências clubísticas entre os adeptos trio de ferro. O empecilho, porém, seria a utilização “Arena Xingu” depois da Copa 2014.

O local, batizado oficialmente como Estádio Municipal do Pinhão, atualmente está em obras e recebe pequenos públicos para os jogos do Sport São José, equipe que disputa a Divisão de Acesso do Paranaense 2010.

A prefeitura de São José dos Pinhais não se pronunciou sobre o projeto. De acordo com a assessoria de imprensa, o prefeito Ivan Rodrigues está de férias e retorna somente no dia 15. A partir de então deve haver uma manifestação oficial.

Balançando

Durante entrevista na quinta-feira, o presidente da CBF, Ricardo Teixeira, insinuou que a permanência de Curitiba como subsede da Copa 2014 virou dúvida. A principal argumentação do cartola foi a ausência do plano de viabilidade econômica para adequação da Arena da Baixada ou de qualquer outro estádio ao caderno de encargos da Fifa.

Com a diretoria do Atlético mostrando dificuldades em conseguir recursos para as obras, outros projetos entraram na discussão de bastidores. O primeiro deles foi o da “Arena Paratiba”, que conta com projetos de construtoras como a OAS e a Andrade Gutierrez. Outra possibilidade seria a de modernizar a Vila Capanema.

Antes da Copa do Mundo ser confirmada no Brasil, havia um projeto para que o Pinheirão fosse o palco curitibano para o torneio. No entanto, o desinteresse da Federação Paranaense de Futebol pelo local e o lobby feito pela antiga diretoria do Atlético tornaram a Arena da Baixada a preferida para a competição.