O volante Arouca afirmou nesta terça-feira que não está preocupado com a escolha do palco do segundo jogo da final da Copa Libertadores da América, entre Santos e Peñarol, no próximo dia 22. O clube paulista ainda não decidiu se irá usar o Pacaembu ou o Morumbi no confronto que valerá o título continental, mas o jogador enfatizou que o mais importante é o time não deixar escapar a conquista do título.

“Seja onde for, vamos querer vencer. A gente não tem conversado entre nós (jogadores, sobre o palco da final), mas eu posso falar por mim. Eu prefiro não entrar neste mérito. A equipe tem que acatar a decisão da diretoria, que sabe o que vai ser melhor. Serão dois jogos históricos”, ressaltou Arouca.

Antes de receber o Peñarol no confronto de volta, o Santos enfrentará o Peñarol em Montevidéu no próximo dia 15, no Estádio Centenário, no duelo de ida da decisão. Para Arouca, o confronto gera bastante preocupação, pois, em 2008, o volante fracassou junto com o Fluminense depois de ter caído por 4 a 2 diante do LDU, no Equador, no primeiro jogo daquela final de Libertadores.

“Estou muito feliz por ter a oportunidade de disputar outra final. Infelizmente, no Fluminense, perdemos a final nos pênaltis em 2008. Vacilamos no primeiro jogo e isso foi uma lição para mim. O jogo de ida é importantíssimo e, por isso, temos pensar em buscar uma vitória lá no Uruguai”, disse o volante.

Antes de encarar o Peñarol no primeiro jogo da decisão, o Santos vai enfrentar o Cruzeiro, no próximo sábado, às 18h30, em Sete Lagoas (MG), pela quarta rodada do Campeonato Brasileiro. No confronto, o técnico Muricy Ramalho deverá poupar quase todo ou todo o seu time considerado titular.