A Associação das Equipes de Fórmula 1 (Fota) exprimiu nesta terça-feira sua “desilusão e preocupação” pelas mudanças na categoria anunciadas nesta terça-feira (17) pela Federação Internacional de Automobilismo (FIA), entre elas a concessão do título mundial para o piloto com o maior número de vitórias.
“O novo quadro regulamentar definido pela FIA corre o risco de alterar a verdadeira essência da Fórmula 1 e os princípios que a tornam um dos esportes mais populares e mais atraentes”, acrescentou presidente da Fota, Luca Cordero di Montezemolo.

“Visto o tempo e o modo com que estas modificações foram decididas, defendemos que é necessário examinar atentamente a nova situação e fazer de tudo para manter, em momentos difíceis como estes, um quadro regulamentar estável sem contínuas mudanças que criam somente confusão nas empresas automobilísticas, nas equipes, no público e nos patrocinadores”, acrescentou Montezemolo.

Em uma mudança histórica no regulamento, a FIA anunciou que a partir deste ano o título mundial irá para o piloto com o maior número de vitórias. O sistema de pontos que valia até então continuará sendo utilizado, mas como critério de desempate, caso dois ou mais competidores alcançarem o mesmo número de primeiros lugares.

Esta mudança havia sido proposta pelo chefão da Fórmula 1, Bernie Ecclestone, que, no entanto, não conseguiu aprovar sua ideia de implementar um sistema de medalhas (ouro, prata e bronze) similar ao utilizado nos Jogos Olímpicos.

Outra mudança anunciada nesta terça pela FIA foi a criação de um teto orçamentário a partir da temporada 2010. Tal medida, segundo a federação, visa equilibrar a disputa esportiva e contornar a profunda crise econômica mundial.

Dessa forma, a partir do ano que vem as escuderias poderão gastar no máximo 30 milhões de Libras (cerca de R$ 95 milhões) para desenvolver e operar seus carros durante a temporada.