Depois de meses de novela, Athletico, Coritiba, Bahia, Ceará, Fortaleza, Internacional, Palmeiras e Santos finalmente começaram a receber a cota de TV fechada da Turner no Brasileirão 2020.

A Turner, dona do canal TNT, iniciou em setembro o pagamento de R$ 9,6 milhões por clube. A quantia, que é referente a 50% do contrato, será quitada em três parcelas mensais. O restante do acordo (25% de audiência e 25% por desempenho) será pago após o término da temporada.

Parcelas atrasadas vinculadas à compensação pelas luvas extras pagas ao Palmeiras, em 2016, também estão sendo quitadas pelo conglomerado de mídia.

Segundo apurou a reportagem, o valor total da temporada é de R$ 154,6 milhões. O Fortaleza, que tem contrato individual bem abaixo dos rivais, agora está em um patamar de igualdade. Os outros sete clubes abriram mão de valores para que isso acontecesse.

Turner segue até o fim da temporada 2021

A Turner, que no início do ano cogitava abandonar as transmissões do Brasileirão, seguirá até o fim da temporada 2021.

Depois desse prazo, a empresa tem a opção de encerrar os contratos sem pagamento de multa, o que deve acontecer. Neste caso, os clubes retomam seus direitos de televisão fechada. A intenção deles é negociar em grupo com outro canal e já há sondagens no mercado.

Originalmente, o contrato com a Turner, assinado em dezembro de 2016 e iniciado em 2019, terminaria somente no fim de 2024. O Internacional, no entanto, é exceção: o time gaúcho assinou com o SporTV para 2021 e fica apenas mais esta temporada na TNT.

Entenda o caso da cota da Turner no Brasileirão

No início de agosto, a Tribuna do Paraná noticiou que as equipes estavam muito perto de resolver o longo imbróglio com o grupo de mídia americano. A bandeira branca veio após meses de muitos conflitos.

Em abril, a Turner abriu guerra contra seus contratados, quando enviou de surpresa notificações extrajudiciais citando o contrato do Brasileirão. A empresa alegou quebra de cláusulas que gerariam multas rescisórias de R$ 287 milhões para cada um dos times, que contestaram a legalidade da ofensiva.

A ideia inicial dos americanos era se livrar do produto Brasileirão sem pagar nada, mas a tarefa se provou complicada por diversos aspectos. Após o surgimento da Medida Provisória 984 e do aumento da pressão dos clubes, que fizeram lobby junto ao presidente Jair Bolsonaro, houve recuo na ideia.

Um caminho judicial foi considerado muito demorado e incerto pela programadora, que decidiu tentar resgatar o relacionamento. Em maio, os clubes já haviam decidido juntar forças e formar um bloco de negociação. A empresa de mídia Livemode foi contratada para mediar as tratativas. A participação, aliás, foi essencial para que um improvável acordo fosse delineado.

Turner desistiu da MP 984

A Turner até cogitou utilizar a MP do mandante para aumentar seu cardápio de jogos, mas sofreu derrotas na Justiça e aparentemente abandonou a ideia. Atualmente, a TNT pode mostrar 56 jogos da Série A, sempre envolvendo seus oito contratados.

Caso a empresa tivesse uma decisão favorável, teria 152 jogos para escolher – todos os de Athletico, Coritiba, Bahia, Ceará, Fortaleza, Internacional, Palmeiras e Santos como mandantes. No entanto o número máximo de transmissões, por contrato, é de 76 partidas na temporada.

+ Mais do Brasileirão:

+ Athletico pode ter retornos importantes contra o Vasco; veja o provável time
+ Ranking da TV: Os clubes mais transmitidos pela Globo no Brasileirão
+ Brasileirão volta a contar com a dança das cadeiras dos técnicos


A Tribuna precisa do seu apoio! 🤝

Neste cenário de pandemia por covid-19, nós intensificamos ainda mais a produção de conteúdo para garantir que você receba informações úteis e reportagens positivas, que tragam um pouco de luz em meio à crise.

Porém, o momento também trouxe queda de receitas para o nosso jornal, por isso contamos com sua ajuda para continuarmos este trabalho e construirmos juntos uma sociedade melhor. Bora ajudar?