Em sua sétima participação na Copa Libertadores, o Athletico garantiu a classificação às oitavas de final de forma antecipada ao empatar com o Jorge Wilstermann nessa terça-feira (29), na Arena da Baixada.

Foi a quinta vez que ‘El Paranaense” avançou para o mata-mata do torneio, disputado pelo clube em 2000, 2002, 2005, 2014, 2017 e 2019, além da atual temporada. Até aqui, foram 14 jogos, cinco vitórias, dois empates e sete derrotas – aproveitamento de 40,4%.

Relembre abaixo o retrospecto do Athletico no mata-mata da Libertadores:

Adriano Gabiru perdeu o pênalti derradeiro contra o Galo.

Atlético-MG (2000)

Estreante na competição, o Athletico pegou o xará mineiro nas oitavas de final. Perdeu fora de casa (1 a 0) e venceu na Arena por 2 a 1, resultado que levou a decisão aos pênaltis. Nas cobranças, um erro de Adriano Gabiru decretou o fim da participação paranaense na competição.

Athletico passou nos pênaltis pelo Cerro Porteño.

Cerro Porteño (2005)

Em 2005, o time paraguaio foi um duro adversário nas oitavas de final. Vitória em casa (2 a 1) e derrota fora pelo mesmo placar levaram à disputa de penalidades máximas. Ao contrário do ano de estreia, calejado com a eliminação na fase de grupos em 2002, o time levou a melhor e avançou às quartas.

Confira a tabela completa da Libertadores 2020

Chulapa decidiu na Vila Belmiro.

Santos (2005)

O Peixe era o favorito para passar de fase, mas foi surpreendido pelo competitivo Furacão. Na Arena, os donos da casa venceram por 3 a 2 em um jogaço histórico. Na volta, na Vila Belmiro, Aloísio Chulapa marcou duas vezes para garantir os atleticanos na semifinal.

Furacão garantiu a classificação com um empate no México

Chivas Guadalajara (2005)

Com um 3 a 0 no Joaquim Américo, o Athletico encaminhou a inédita classificação à decisão da Libertadores. Os mexicanos do Chivas Guadalajara não conseguiram reverter a vantagem no jogo de volta, que terminou empatado por 2 a 2.

Athletico foi goleado na final de 2005.

São Paulo (2005)

As finais contra o Tricolor paulista nunca foram esquecidas pela torcida do Athletico. O contexto envolve, principalmente, a decisão da Conmebol de vetar a Arena da Baixada por causa da capacidade de público abaixo do regulamento da competição.

Jogando em campo neutro, no Beira-Rio, empate por 1 a 1. Na grande final, no Morumbi lotado, o São Paulo goleou por 4 a 0. O Athletico teve a chance de empatar o jogo em um pênalti, mas Fabrício bateu para fora.

Santos devolveu a eliminação em 2005 com 12 anos de atraso.

Santos (2017)

12 anos se passaram até o Athletico voltar a alcançar as oitavas de final na Libertadores. Após garantir a vaga no ‘Milagre de Apoquindo’, contra a Universidad Católica, no Chile, o Furacão reencontraria o Santos no torneio continental. Dessa vez, contudo, o saldo foi negativo. Derrota por 3 a 2 na Vila Capanema e por 1 a 0 na Vila Belmiro, dando adeus ao sonho da América.

Athletico foi eliminado na Bombonera.

Boca Juniors (2019)

O time argentino virou o grande rival do Rubro-Negro na edição de 2019. A vitória por 3 a 0 na fase de grupos – com três gols de Marco Ruben – mudou o status do Athletico para os xeneizes.

Mesmo com o revide na Argentina (2 a 1) ainda na primeira fase, o time de Tiago Nunes entrou com moral para o confronto nas oitavas. O reencontro, porém, não saiu como esperado. Derrota na Baixada (1 a 0) e na Bombonera (2 a 0).

+ Mais do Furacão:

+ Athletico busca arrancada no Brasileirão após classificação na Libertadores
+ Zagueiro do Athletico bate cabeça no gramado e é levado de ambulância a hospital
+ Blog do Cristian: Athletico garante classificação com empate sem gols


A Tribuna precisa do seu apoio! 🤝

Neste cenário de pandemia por covid-19, nós intensificamos ainda mais a produção de conteúdo para garantir que você receba informações úteis e reportagens positivas, que tragam um pouco de luz em meio à crise.

Porém, o momento também trouxe queda de receitas para o nosso jornal, por isso contamos com sua ajuda para continuarmos este trabalho e construirmos juntos uma sociedade melhor. Bora ajudar?