Barcímio Sicupira Júnior carrega marca rara no futebol. Em 14 anos de carreira, estreou fazendo gol em todos os cinco clubes que defendeu. Foi assim no extinto Ferroviário-PR, nos Botafogos – do Rio de Janeiro e de Ribeirão Preto –, no Athletico, onde se tornou lenda, e também no Corinthians, camisa que defendeu por quatro e intensos meses em 1972.

Aos 76 anos, o craque da 8 debuta novamente com outro golaço. Da tabelinha marota com o jornalista Sandro Moser nasceu a biografia “Sicupira – Vida e Gols de um Craque Chamado Barcímio” (Editora Banquinho). O livro, que relata, detalha e contextualiza a trajetória do maior artilheiro do Furacão dentro e fora de campo, tem lançamento marcado para 3 de outubro. O prefácio é de Carneiro Neto, colunista da Gazeta do Povo, enquanto o posfácio foi assinado por Augusto Mafuz, colunista da Tribuna do Paraná.

Veja ao final do texto como comprar e todos os detalhes do livro “Sicupira – vida e gols de um craque chamado Barcímio”

Mais do que biografar Sicupira, Moser mergulhou em períodos distintos do futebol e da sociedade brasileira. Explica a origem familiar do craque, descendente de imigrantes, passa pela infância e adolescência de “Barciminho, o terrível” nas ruas do bairro Alto da XV, em Curitiba, e ainda disseca os movimentos políticos e culturais que aconteciam no país ao longo da carreira do ponta de lança.

“É um livro de história, principalmente”, disse o autor. “Tive que me colocar em um tempo que não é o meu. Como o historiador Evaldo Cabral de Mello diz: na biografia é preciso calçar os sapatos do biografado. No meu caso são as chuteiras do Barcímio”, complementou o jornalista.

Moser e Sicupira, na casa do biografado. Felipe Rosa/Foto Digital/Foto Digital/Tribuna do Paraná

As botinas serviram perfeitamente. Logo na introdução, quando descreve o antológico gol de bicicleta aplicado no São Paulo, e recria todo o cenário daquela tarde na Vila Capanema, em 1968, Moser oferece o que vai ser a tônica nas 367 páginas do livro.

Ao todo, o projeto levou um ano e meio para ficar pronto. Foram incontáveis horas de pesquisa em dezenas de livros e jornais antigos, além de 51 entrevistados, incluindo Galvão Bueno, Geninho, Gérson, Levir Culpi, Nilson Borges e Rivellino. O nível de detalhamento é digno de um gol do Sicupa no finalzinho de um clássico Atletiba. Spoiler: a contagem de gols do artilheiro até aumentou.

“O Sandro incorporou mesmo o livro. Foi pouco mais de um ano em que ele deixou de viver (para se dedicar ao projeto)”, agradeceu Sicupira.

“Ele é esforçado demais, foi para o Rio de Janeiro, para Ribeirão Preto. E, conversando com os caras com quem foi entrevistar, se colocou na história”.

+ Grandes personagens do futebol paranaense relembram Sicupira em campo

A maior parte da biografia conta, é claro, com os oito anos de Athletico, de 1968 a 1975, como pano de fundo. Mas a realidade era outra.

“Quem vê o Athletico hoje não sabe como foi naquele passado. As alegrias eram tão difíceis de acontecer que tinham mais valor”, destacou o ídolo atleticano.

“Nós víamos fotos antigas, falávamos sobre elas, sobre datas, como era naquele momento. A gente se lembra de muita coisa guardada. E aí você começa a sentir coisas que não sentiu nem na época. Talvez eu não tivesse dado tanto valor para o tempo que fiquei lá (no Athletico) e, principalmente, para o campeonato de 1970”, admitiu ele.

O título estadual conquistado na última rodada do hexagonal final, diante do Seleto, em Paranaguá, foi a solitária conquista rubro-negra entre as taças de 1958 e 1982. Marcou gerações e o próprio Craque da 8, como Sicupira ficou consagrado.

Sicupira em ação pelo Athletico e a capa da biografia. Foto de fundo: Arquivo GRPCOM.

“Ele se tornou atleticano. E quase um símbolo do que era ser atleticano nos anos 1970, uma coisa meio rebelde, lutando contra as adversidades”, apontou Moser.

Barcímio, revelado pelo Ferroviário, chegou a participar de peneira no Coritiba – o Estádio Belfort Duarte, hoje Couto Pereira, fica a poucas quadras de sua casa, na Rua Fernando Amaro. Franzino, foi reprovado. Ficou a mágoa.

Acabou no Boca-Negra, onde se profissionalizou em 1962 e desandou a fazer gols, chegou a ganhar uma coluna de Nelson Rodrigues. Dois anos depois, em 1964, se transferiu para o Botafogo, então o “melhor time do mundo”, que contava com ícones como Manga, Nílton Santos, Gérson, Jairzinho e Zagallo. A estrela da companhia, Garrincha, virou amigo pessoal.

+ Confira a classificação completa do Brasileirão!

Lá, Sicupira conheceu outra vida. Saiu do ovo curitibano para a Cidade Maravilhosa. Continuou marcando gols bonitos, conquistou títulos e alternou entre o banco de reservas e a titularidade. Fora de campo, namorou muito, andou de carrão e torrou dinheiro em roupas estilosas.

“Sicupira é um personagem legal porque é complexo. Um cara que se adapta rápido, é camaleão. Se tem uma festa de grã-fino, ele sabe se comportar. Se o pessoal está jogando truco no boteco, também. É um cara engraçado, um personagem adorável”, afirmou Moser, que também escreveu sobre outras facetas do ídolo atleticano: filho, pai, avô, comentarista esportivo, universitário, técnico de futebol, amigo e mestre de carteado.

Sicupira agora se prepara para encarar a torcida de novo. De forma diferente por causa da Covid-19, a festa de lançamento vai ocorrer em esquema com distanciamento social, no sistema drive-in, na Pedreira, com vídeo e bate-papo com o biografado pelo telão.

“Estou em concentração. Ainda não me preparei. Vou falar o que vier na hora”, garantiu um carismático e emocionado Sicupa, ansioso também para compartilhar o livro com sua mãe, a centenária Anna.

“Não quis fazer um livro para fazer tragédia. Sempre fui de fazer coisas boas, leves, simpáticas, até quando o ambiente não é propício. Sempre fui assim. Não vou me preocupar hoje com problema de amanhã”.

Lançamento do livro “Sicupira – vida e gols de um craque chamado Barcímio”

  • Local: Pedreira Paulo Leminski, Rua João Gava, nº 970, Abranches, Curitiba.
  • Data: 3/10.
  • Horário: 12 horas.
  • Ingressos: Planeta Drive-In – clique para comprar
  • Ingressos: R$ 60 por carro, valor que garante um livro autografado.
  • Preço do livro avulso: R$ 60.

Leia um trecho da biografia:

Quando a notícia de que tinha entrado areia na negociação com os coxas chegou à Baixada o diretor de futebol rubro-negro, Airton Araújo, mandou sua secretária ligar para Sicupira.

“Ele me chamou em sua casa e me perguntou sobre defender o Athletico. Eu respondi que sim, claro, que queria ficar em Curitiba, pois estava cansado da situação em Ribeirão Preto.”

Bem-sucedido investidor financeiro, Araújo telefonou no mesmo dia para o presidente do Botafogo. O endividado clube ribeirão-pretano pediu Cr$ 40 milhões, quantia que representava, mais ou menos, o valor pago um ano antes ao xará carioca.

O dia decisivo foi 26 de julho. Araújo voou até Ribeirão e deixou um cheque pessoal, no valor estipulado – cerca de R$ 400 mil em valores atuais. E trouxe o passe de Sicupira dentro de sua maleta 007.

Para efeito de comparação, a quantia é quase a mesma registrada no borderô da estreia de Sicupira, contra o São Paulo, em setembro. Ou seja, a renda de apenas um jogo, com cerca de 14 mil pagantes, equivalia ao dinheiro investido naquele que seria o maior ídolo do Athletico.

Homem da bolsa de valores, Araújo sabia quanto um ativo poderia se multiplicar no tempo. Nesse caso, porém, preferiu não especular e doou o passe de Sicupira ao clube do coração. Se havia alguma dívida a ser quitada, ninguém sabe. Sabe-se, porém, que o investimento atleticano em Sicupira foi zero.

Já o rendimento é fácil de calcular. Uma relação eterna de idolatria, construída por gols em profusão e dedicação ao clube, contando ainda com o título paranaense de 1970 como bônus. Em uma semana, Sicupira voltou para se despedir de todos em Ribeirão.

“Peguei minhas tralhas, o dinheiro dos 15% do passe, vendi uns terrenos que comprei lá e voltei.”

O anúncio oficial aconteceu no dia 5 de agosto, logo após a assinatura de seu primeiro contrato, que tinha duração de um ano. A notícia mereceu apenas um pé de página dos jornais de Curitiba, mais preocupados com a briga entre os cartolas sobre as finais do campeonato.

Da mesma forma como passaram batidas na imprensa as contratações de Washington, Assis, Oséas, Adriano, Kléber, Alex Mineiro e Bruno Guimarães. Na Baixada, a chegada do craque é sempre silenciosa.

+ Mais do Furacão:

+ Athletico e Coritiba opinam sobre volta da torcida aos estádios
+ Athletico tem novidades no time para encarar o Colo-Colo
+ Athletico anuncia acerto com velho conhecido como patrocinador
+ Athletico reforça lobby por Lei do Mandante no Congresso
+ Athletico atinge 60 jogos pela Libertadores. Relembre os mais marcantes


A Tribuna precisa do seu apoio! 🤝

Neste cenário de pandemia por covid-19, nós intensificamos ainda mais a produção de conteúdo para garantir que você receba informações úteis e reportagens positivas, que tragam um pouco de luz em meio à crise.

Porém, o momento também trouxe queda de receitas para o nosso jornal, por isso contamos com sua ajuda para continuarmos este trabalho e construirmos juntos uma sociedade melhor. Bora ajudar?