O Athletico começa sua caminhada na temporada 2019 diante do Deportes Tolima, na Colômbia, na próxima terça (5), pela Copa Libertadores. Ainda que a equipe adversária não esteja entre as mais badaladas do país, o Tolima já teve seus momentos de glória, quando, por exemplo, desclassificou o favorito Corinthians de Ronaldo na Pré-Libertadores de 2011. Se de um lado o Furacão vem embalado pelo título da Sul-Americana e quer fazer bonito na maior competição continental, os colombianos precisam dessa vitória para corrigir a rota que iniciou errada nesta temporada.

+ Histórico: Athletico não quer repetir erros das últimas Libertadores

Atual campeão colombiano, o adversário do Rubro-Negro tem sua sede na cidade de Ibagué, localizada no departamento (como se fosse um estado) colombiano de Tolima. O pequeno município colombiano de poucos mais de 550 mil habitantes, e que fica a cerca de 200 quilômetros da capital Bogotá, será o palco de uma disputa que deve ser marcada pela sede de bola e pela dureza típica de um duelo latino-americano. A partida acontecerá a partir das 21h30 no estádio Monumental Manuel Murillo Toro, que tem capacidade para 31 mil pessoas.

Conhecido também como “El Vinotinto y Oro”, uma referência às suas cores vinho e dourada de seu escudo, o clube foi fundada em 1954 e atualmente vive uma fase complicada, já que não vai bem na competição nacional. Depois da derrota para o Once Caldas por 2×1, no último domingo (24), uma enxurrada de comentários negativos por parte dos torcedores surgiram nas redes sociais do clube, que respondeu com a mensagem “Este esporte é jogado por humanos e não por máquinas”, tentando amenizar a situação.

+ Experiente: Nikão diz que seu estilo de jogo ‘casa’ com a Libertadores

Outro cenário delicado vivido dentro do grupo é a acusação de que um dos principais nomes, o goleiro Álvaro Montero, tenha utilizado doping na campanha do Tolima no ano passado. O jogador de 23 anos que tem passagens pela seleção colombiana nas categorias de base está se defendendo das acusações junto ao comitê da Federação Colombiana de Futebol e ainda vai a julgamento. Caso seja punido, poderá ser suspenso de suas atividades por até quatro anos.

Ainda que não figure entre as equipes mais expressivas da país, o time tem história e carrega três títulos nacionais: o campeonato colombiano de 2013 e 2018 e a Copa Colômbia de 2014. O Tolima vai para sua sétima participação na Libertadores e sua melhor colocação foi conquistada em 1982, quando chegou à semifinal.

+ Aspirantes: Reginaldo perto de deixar o clube

Para tentar montar um time competitivo para a principal competição que tem este ano, a diretoria tratou de reforçar o elenco e trouxe, até o momento, dez jogadores. Porém, os principais nomes do grupo são dos remanescentes. O destaque é o atacante Marco Pérez, de 28 anos. O atleta foi o vice-artilheiro do Torneio Clausura de 2018, com 17 gols. No clube desde 2014, ele soma 50 gols em 137 jogos. O artilheiro da temporada é o atacante venezuelano Luis González, de 28 anos. O xerifão do grupo é zagueiro Quiñonez, de 29, em Ibagué desde 2014.

Ronaldo na última partida da carreira. Foto: Daniel Augusto Jr./Corinthians
Ronaldo na última partida da carreira. Foto: Daniel Augusto Jr./Corinthians

Despedida

Uma história curiosa que aconteceu no palco do jogo entre Tolima e Athletico é que o atacante Ronaldo, maior artilheiro da Seleção Brasileira em Copas do Mundo, encerrou sua carreira em Ibagué no dia 2 de fevereiro de 2011. Na ocasião, ele vestia a camisa do Corinthians e o Timão, considerado amplamente favorito, foi derrotado por 2×0 para o Deportes Tolima e deu adeus à Libertadores ainda na fase inicial.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do Trio de Ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!