Por pouco, o meia Nikão não fez parte da debandada de jogadores promovida pelo Athletico neste início de temporada. O jogador de 27 anos tinha sua saída verbalmente acertada com Al Ain, mas a proposta do clube dos Emirados Árabes Unidos acabou não se concretizando, conforme apurou a reportagem.

Em janeiro, antes da reapresentação, a diretoria do Furacão deu sinal verde para uma oferta de US$ 2,5 milhões da equipe árabe – cerca de R$ 11,1 milhões na cotação atual. Com a proximidade do acerto, Nikão chegou a retornar a Curitiba para retirar seus pertences do CT do Caju.

O Al Ain, no entanto, mudou de última hora a proposta para um empréstimo, o que foi prontamente recusado pelo Rubro-Negro. Depois de a transferência não se confirmar, surgiram especulações de equipes da China. A epidemia de Coronavírus, no entanto, brecou qualquer movimentação.

Em junho do passado, o Athletico recusou proposta dos mesmos US$ 2,5 milhões do Baniyas Sports, também dos Emirados Árabes. Na ocasião, o clube achou mais importante a permanência dele no elenco que disputava (e viria a ganhar) a Copa do Brasil. A multa rescisória de Nikão é de 3 milhões de euros, aproximadamente R$ 14,9 milhões na cotação atual.

Do fim do Brasileirão até agora, o Furacão já perdeu 13 jogadores. O volante Bruno Guimarães foi vendido para o Lyon, da França, o zagueiro Léo Pereira foi negociado com o Flamengo, enquanto o atacante Rony foi comprado pelo Palmeiras.

Marcelo Cirino, por outro lado, deixou o clube em fim de contrato. Camacho, Pedro Henrique, Marco Ruben, Thonny Anderson, Bruno Nazário, Tomás Andrade, Braian Romero e Madson, que estavam emprestados, retornaram a seus times. O meio-campo Matheus Rossetto, que era um reserva pouco utilizado, foi negociado com o Atlanta United, dos Estados Unidos.

+ Mais do Furacão:

+ Ingressos pra estreia na Libertadores já estão à venda
+ Felipão pode treinar adversário do Athletico na Libertadores
+ Athletico divulga lista de inscritos na Libertadores