Ibagué, Colômbia – Após a derrota do Athletico por 1×0 para o Tolima, na noite de terça-feira (5), o técnico Tiago Nunes disse que o resultado negativo não passou pelas ausências de jogadores importantes do elenco. O jogo de estreia do time pela Libertadores 2019 aconteceu na cidade de Ibagué, na Colômbia sem o lateral-direito Jonathan e o volante Lucho González, titulares absolutos, mas que estão se recuperando de lesão e por isso não viajaram com a delegação.

+ Leia também: Atleticanos enfrentam longa viagem, mas esbarram em festa dos colombianos

Com os problemas, o time sofreu em alguns setores, em especial na ala. Porém, o treinador não acredita que a falta desses atletas influenciou para o início ruim na temporada.

“A gente não perdeu pelas ausências do Jonathan e do Lucho. Foram jogadores importantes no ano passado e que estão retomando a sua condição física ideal”, resumiu.

A falta de Jonathan fez com que Madson ocupasse a vaga deixada em aberto, mas o lateral sentiu uma lesão precocemente no jogo, e aos 11 minutos foi substituído. A escolha de Tiago foi pela improvisação do zagueiro Zé Ivaldo na posição.

“Infelizmente aconteceu a lesão do Madson muito cedo e era a única posição que não tínhamos um jogador da função para substituir. Optamos pelo Zé (Ivaldo), que já tinha jogado na função, inclusive na Libertadores, há dois anos, em um jogo contra o Flamengo”, detalhou o comandante rubro-negro.

+ Mais na Tribuna: Confira como foi a estreia do Athletico na Libertadores

Ainda que tenha dado um voto de confiança a Zé Ivaldo, o treinador admitiu que é difícil que um jogador faça uma função que não é a sua de origem. A entrada dele, inclusive, influenciou na estratégia geralmente utilizada pela equipe, de contar com as laterais para avançar ao ataque.

“Um jogador que entra improvisado sempre é complicado e pela característica do Zé perdemos também o apoio ofensivo, que geralmente temos na lateral, mas são situações que temos que acabam acontecendo e a gente tem que se adaptar o mais rápido possível”, argumentou Nunes, que acredita que é preciso já pensar na continuidade da competição.

“Não adianta lamentar em cima das ausências. A competição não permite isso, temos que ser racionais para evoluir no próximo jogo”, finalizou ele.

Visando a recuperação na Libertadores, o Athletico vai apostar nos três jogos que tem em casa em sequência, contra Jorge Wilstermann, da Bolívia, Boca Juniors, da Argentina, e a partida de volta diante do Deportes Tolima.

O confronto com o Jorge Wilstermann, válido pela segunda rodada do Grupo G da Libertadores, será no dia 14 de março, às 21h, na Arena da Baixada.

Confira a entrevista coletiva do técnico Tiago Nunes na íntegra:

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do Trio de Ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!